sábado, 23 de junho de 2012

A Deusa - As Vidas Secretas de Marilyn Monroe

A ótima biografia "A Deusa - As Vidas Secretas de Marilyn Monroe" de autoria de Anthony Summers é uma excelente dica de leitura para esse fim de ano. Temos aqui, em pouco mais de 500 páginas, um ótimo retrato de um dos maiores ícones da história do cinema americano. Marilyn aparece nas páginas desse livro sem retoques, com sua real faceta, mostrando como era uma pessoa atormentada, carente, complexa e confusa. Nascida sem uma estrutura familiar sólida (sua mãe enlouqueceu e foi internada em um asilo e seu pai sumiu) a pequena Norma Jean abriu caminho na vida de uma forma surpreendente, se tornando até hoje no maior símbolo sexual feminino que se tem notícia. Ao longo de capítulos curtos o autor vai revelando os detalhes da vida de Marilyn, fatos esses que foram coletados por inúmeras entrevistas que realizou ao longo de uma extenso período de pesquisa. Ele entrevistou atores, diretores, empregados e ex namorados da atriz para formar um mosaico de sua personalidade.

A Marilyn que emerge de suas páginas é uma mulher cheia de problemas pessoais, afetivos, psicológicos mas ao mesmo tempo dona de um raro talento para surpreender em cena. Embora fosse uma atriz extremamente problemática nos sets de filmagens, Marilyn sempre conseguia se superar em seus filmes, mostrando muita presença e glamour. As histórias de bastidores de seus filmes já valem por si só o valor da compra da biografia. A atriz era a antítese do profissionalismo. Sempre causava algum tipo de confusão durante as produções: nunca chegava no horário certo, brigava com outros atores e atrizes, infernizava a vida dos diretores e levava sempre uma professora de interpretação a tiracolo. Também tinha um pavor patológico de gravar suas cenas, causando atrasos e mais atrasos por causa de sua insegurança fora do normal. Não raro abandonava os estúdios e sumia por dias, sem ninguém saber ao certo seu paradeiro. Apesar disso, como bem recorda o grande ator Lawrence Olivier, quando o filme era finalmente exibido a grande presença na tela sempre era dela, de Marilyn, que roubava as cenas dos demais atores.

A vida pessoal também era bastante conturbada. Marilyn casou oficialmente três vezes, embora haja até hoje a suspeita de que tenha casado uma quarta vez no México, em uma noite de loucuras. Casou-se pela primeira vez aos 16 anos em um casamento arranjado por sua tutora que queria se livrar dela. Depois que o marido foi para a marinha, Marilyn tratou de correr atrás de seu sonho de virar atriz em Hollywood. Ao mesmo tempo em que começava a despontar como modelo e atriz seu casamento ia por água abaixo. O segundo casamento foi com o mito do beisebol americano Joe DiMaggio, um descendente de italianos, casca grossa, ciumento e truculento que chegou a bater nela, causando o inevitável divórcio. Por fim se uniu ao intelectual Arthur Miller em sua última tentativa de ser feliz no matrimônio. Foi um casamento marcado pela indiferença e frieza por parte dele e de infidelidade por parte dela.

Outro ponto interessante do livro é aquele que trata sobre o envolvimento de Marilyn com os irmãos Kennedy (John, o presidente e Bobby, o procurador geral). O autor analisa as diversas teorias de que Marilyn teria sido morta em uma conspiração envolvendo o alto escalão do governo americano no começo da década de 60. Embora não se possa chegar na verdade absoluta dessa questão o escritor faz uma análise bastante interessante dos eventos e mistérios que cercam a morte da atriz. O uso abusivo de drogas e os problemas mentais dela também são enfocados de uma maneira lúcida e coerente. A única conclusão que podemos tirar após ler essa biografia é que apesar de ter alcançado os picos da fama, ter conquistado dinheiro e poder dentro da indústria cinematográfica, Marilyn Monroe morreu solitária e infeliz. Como todo mito que se preze, Marilyn também foi sepultada em sua incrível fama.

Pablo Aluísio.

Um comentário: