sexta-feira, 15 de junho de 2012

O Sol é Para Todos

Título no Brasil: O Sol é Para Todos
Título Original: To Kill a Mockingbird
Ano de Produção: 1962
País: Estados Unidos
Estúdio: Universal Pictures
Direção: Robert Mulligan
Roteiro: Horton Foote, baseado em livro de Harper Lee
Elenco: Gregory Peck, John Megna, Frank Overton, Rosemary Murphy, Mary Badham
  
Sinopse:
Tom Robinson (Brock Peters) é um rapaz negro acusado de estuprar Mayella Violet Ewell (Collin Wilcox Paxton), uma jovem branca. Numa sociedade extremamente racista o advogado Atticus Finch (Gregory Peck) resolve então defender o réu, mas começa a sofrer todo tipo de hostilidade por parte da população local por ter tomado essa decisão. Para aquelas pessoas o acusado sequer deveria ser defendido no tribunal das acusações que lhe estavam sendo feitas. Filme vencedor do Oscar nas categorias de Melhor Ator (Gregory Peck), Melhor Roteiro Adaptado (Horton Foote) e Melhor Direção de Arte. Também indicado nas categorias de Melhor Filme, Melhor Direção, Melhor Atriz Coadjuvante (Mary Badham), Melhor Fotografia (Russell Harlan) e Melhor Música (Elmer Bernstein). Também vencedor do Globo de Ouro nas categorias de Melhor Ator (Gregory Peck) e Melhor Música (Elmer Bernstein).

Comentários:
Esse é um dos grandes clássicos da história do cinema americano. Que filme maravilhoso! Fiquei impressionado como em um só roteiro tantos valores morais e éticos são repassados ao espectador! Não é necessário aqui expor todos os significados importantes dentro do rico argumento, mas um dos que mais me chamaram atenção foi o desfecho do julgamento mostrado no filme. Fugindo de clichês baratos, a obra mostra a verdadeira face da extrema debilidade do sistema judiciário americano. O argumento também explicita alguns fundamentos jurídicos importantes para uma sociedade dita civilizada, como o direito ao contraditório e a ampla defesa. Como demonstrado na história nem sempre a sociedade é a mais adequada para julgar e punir seus pares, uma vez que o senso comum é extremamente falho e para dizer a verdade, inúmeras vezes infantil e até tolo. Assim apenas a lei e o direito a um julgamento justo se mostram viáveis para saciar o sentimento de justiça dentro da comunidade. O fato é que Gregory Peck, de uma dignidade fora do comum, mostra claramente que o sistema é falho, injusto e nocivo, principalmente quando a emoção e o preconceito superam a razão. Seu posicionamento como advogado no filme é uma lição de postura, ética e comprometimento com a causa de seu cliente. Nenhuma outra profissão no mundo lida tão de perto com esses valores como a de advogado, que quando bem cumprida e desempenhada pode trazer enorme satisfação pessoal. Tirando esse aspecto importante, outro também me chamou muito a atenção: O lirismo e nostalgia envolvidos na forma como a história é contada. Ao mesmo tempo em que mostra o drama de tribunal, "O Sol é Para Todos" também expõe a bucólica vida dos filhos do advogado. Subindo em árvores, brincando pelas redondezas e curiosos em relação a Boo, um vizinho deficiente mental que será vital para o desfecho do filme. Essa visão inocente contrasta exatamente com a mentalidade dos moradores locais: ignorantes, racistas e preconceituosos. Recentemente o presidente Obama promoveu uma exibição do filme na Casa Branca, algo muito significativo sobre a importância dessa obra cinematográfica. Nada mais justo uma vez que "O Sol é Para Todos" é um filme grandioso, realmente maravilhoso. Um dos melhores da era de ouro de Hollywood. Está mais do que recomendado.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Um comentário:

  1. Avaliação:
    Direção: ★★★★
    Elenco: ★★★★
    Produção: ★★★
    Roteiro: ★★★★
    Cotação Geral: ★★★★
    Nota Geral: 8.6

    Cotações:
    ★★★★★ Excelente
    ★★★★ Muito Bom
    ★★★ Bom
    ★★ Regular
    ★ Ruim

    ResponderExcluir