sábado, 2 de junho de 2012

Tudo o que o Céu Permite

Título no Brasil: Tudo o Que o Céu Permite
Título Original: All that Heaven Allows
Ano de Produção: 1955
País: Estados Unidos
Estúdio: Universal International Pictures
Direção: Douglas Sirk
Roteiro: Peg Fenwick, Edna L. Lee
Elenco: Jane Wyman, Rock Hudson, Agnes Moorehead, Conrad Nagel
  
Sinopse:
Cary Scott (Jane Wyman) é uma viúva da alta sociedade, que a despeito dos preconceitos sociais acaba se apaixonando pelo jovem rapaz  Ron Kirby (Rock Hudson), que trabalha como jardineiro em sua casa. Mesmo com a diferença de idade e de já ter filhos adultos ela decide assumir seu novo romance perante toda a sociedade, o que acaba gerando todos os tipos de críticas e comentários maldosos em relação a ela e seu novo romance. Não tarda a aparecer todo tipo de pressão para que ela ponha fim ao seu envolvimento amoroso, considerado escandaloso e indecente pelo moralismo reinante em sua cidade e círculo social. Filme escolhido pela National Film Preservation Board para fazer parte da categoria National Film Registry. 

Comentários:
Muito bom esse drama que foca no preconceito que existia (e ainda existe) na sociedade sobre classes sociais diferentes. Após assistir cheguei na conclusão que certas convenções dentro da sociedade não mudaram nada desde que o filme foi feito. Aqui temos um casal formado por uma senhora viúva rica (Jane Wyman) e um jovem e pobre rapaz jardineiro (Rock Hudson). Claro que mesmo apaixonados ambos vão sofrer todo tipo de preconceito da sociedade por causa dessa situação. Além da diferença de idade eles pertencem a classes sociais bem distintas. O filme é muito bem desenvolvido, sutil e inteligente. Joga com a situação e faz o público torcer pelo casal (isso na sociedade americana dos anos 1950, com todos os seus pudores e valores morais rígidos e ultrapassados). O filme é visualmente muito bonito, aproveitando tudo o que é possível da bela paisagem do local onde o personagem de Rock Hudson vive (um moinho antigo, com uma casa de campo e bambis passeando pelo quintal - mais bucólico impossível!). O clima de nostalgia impera e traz muito para o resultado final. "Tudo o que o Céu Permite" foi produzido por causa do grande sucesso de "Sublime Obsessão". Praticamente toda a equipe foi reunida novamente para esse filme (Rock Hudson, Jane Wyman, o diretor Douglas Sirk e o produtor Ross Hunter). Rock tinha especial veneração por esse diretor pois foi o primeiro que deu uma chance de verdade a ele no cinema, quando era um simples iniciante. Também tinha grande amizade por Jane Wyman que, bem mais veterana do que ele nas telas, lhe deu apoio incondicional nesses dois filmes, sendo paciente e prestativa no set de filmagem. O curioso é que após o sucesso de "Tudo o que o Céu Permite" o aclamado diretor George Stevens fez tudo o que era possível para pedir Rock de empréstimo da Universal para rodar com ele na Warner o grande clássico "Assim Caminha a Humanidade". Certamente percebeu que Rock não era mais apenas uma promessa mas sim um grande astro. Enfim, recomendo bastante o filme, principalmente para o público feminino, que certamente terá muito mais sensibilidade para se envolver no excelente enredo. Um romance à moda antiga, com bom roteiro e cenas que mais parecem quadros românticos. Vale muito a pena conhecer.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Um comentário:

  1. Avaliação:
    Direção: ★★★
    Elenco: ★★★
    Produção: ★★★
    Roteiro: ★★★
    Cotação Geral: ★★★
    Nota Geral: 8.2

    Cotações:
    ★★★★★ Excelente
    ★★★★ Muito Bom
    ★★★ Bom
    ★★ Regular
    ★ Ruim

    ResponderExcluir