quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Marilyn Monroe e Arthur Miller

Eram opostos e talvez por isso tenham se apaixonado tanto. Arthur Miller era um intelectual respeitado, autor de textos maravilhosos como “A Morte do Caixeiro Viajante”. Era alto, tinha uma mentalidade de esquerda e gostava de conversar sobre os grandes clássicos da literatura. Havia se casado com sua colega de universidade e tinha filhos pequenos. Marilyn Monroe era a atriz número 1 da América. Uma artista de sucesso que escondia sob uma fachada de glamour e luxo uma pessoa com problemas emocionais graves. A primeira vez que Marilyn encontrou Miller foi em uma festa em Hollywood. Ela obviamente ficou atraída por sua inteligência e postura. De fato Miller se parecia fisicamente com o grande ídolo de Monroe, o Presidente Abraham Lincoln. Sabe-se lá a razão a questão era que Marilyn tinha verdadeira veneração por Lincoln e aonde quer que fosse levava uma foto do famoso presidente para colocar ao lado de sua cama. Provavelmente se identificava com a vida de Abe, pois assim como ela o presidente também tinha tido uma origem muito humilde e só depois, com muito esforço e dedicação pessoal, conseguiu subir na vida.

Lincoln estava morto quase há um século mas Miller estava ali, bem próximo a ela. Fazendo-se de dengosa ela puxou conversa com Miller e ambos sentaram em um sofá na sala de estar. Marilyn queixou-se do sapato apertado que estava usando e Arthur Miller se ofereceu para lhe fazer uma massagem nos pés. Ela ficou tão relaxada e calma com a habilidade de Miller que ali naquele momento, como confidenciou tempos depois, decidiu que queria ficar com o escritor, que iria se casar com ele algum dia. O curioso é que no meio de tantos romances e amores Monroe jamais esqueceu daquela noite. Através de um amigo em comum conseguiu o telefone de Arthur e começou a telefonar para ele com freqüência. Arthur Miller resistiu por pouco tempo. O charme e a sedução de Marilyn haviam funcionado novamente. Para uma pessoa que sempre foi dita como muito equilibrada, Miller pareceu ter perdido o juízo ao se relacionar com a musa. Desfez seu casamento de longa data e se atirou em um romance que apesar dos bons momentos o levaria a situações realmente conflitantes.

O casamento aconteceu com relativa rapidez. Marilyn parecia muito decidida. No começo a atriz tentou se moldar ao modelo que Arthur Miller esperava de uma esposa. Nas primeiras semanas se revelou uma pessoa dedicada a ele, com interesse em suas idéias e forma de pensar. Chegou até mesmo a defender o marido quando ele foi acusado de ser comunista durante a famosa caças ás bruxas do congresso americano. Os meses felizes porém acabaram logo. Após engravidar e perder mais uma vez seu filho, algo que Marilyn desejava muito, ela começou a mostrar sinais de desequilíbrio. Monroe começou a tomar muitas pílulas novamente e o pior, começou a beber em demasia. Arthur Miller presenciou tudo e até tentou endireitar a situação mas ele tinha uma personalidade introspectiva, peculiar a escritores, e não conseguia se impor à Marilyn, que era expansiva e um furacão de mulher.

Não tardou para que Marilyn transformasse o pacato Miller em seu saco de pancadas preferido. Ela o desabonava publicamente, fazia pouco dele, o chamava de chato na frente de estranhos e criava confusão o tempo todo com o temperamento do marido. Miller havia prometido a Marilyn que escreveria o argumento de seu próximo filme mas estava tão esgotado emocionalmente por causa de seu deteriorado relacionamento com a atriz que não encontrava mais inspiração para escrever novos textos. O pior é que após um período de fidelidade (algo raro para Monroe) ela logo voltou aos velhos hábitos traindo o marido com atores, políticos e até mesmo com um conhecido membro da quadrilha do mafioso Sam Giancana. A situação piorou e muito nas filmagens de “Os Desajustados”. Marilyn dava ataques no set de filmagens e humilhava o marido na frente de todos. Numa das brigas mais sérias deixou o marido no meio do deserto, onde o filme estava sendo rodado, o colocando para fora de seu Cadillac. Se não fosse John Huston, o diretor, que retornou para pegar Miller esse certamente seria deixado lá para morrer de sede.

Arthur Miller deu o troco usando Marilyn como inspiração para criar em seu novo texto uma personagem completamente insana, desequilibrada e às portas da loucura. Era um retrato demolidor e nada lisonjeiro da esposa. Certo dia, meio que ao acaso, Marilyn encontrou os manuscritos de Miller e ficou chocada pela forma que era retratada na prosa do marido. Quando esse chegou em casa o tempo fechou completamente. Ambos brigaram e se destruíram psicologicamente. Um acusando o outro pelo fracasso do casamento. Ao contrário de Di Maggio, Arthur Miller jamais pensou em bater em Marilyn. Simplesmente se levantou após a briga, pegou sua mala e seu velho chapéu surrado e foi embora. Era o fim de mais um casamento muito dolorido da vida de Marilyn Monroe. Nos dias seguintes Marilyn afundou no álcool, nas drogas e em uma sucessão de sessões de análise que a deixaram ainda mais confusa. O pior é que ela teria que em breve voltar aos estúdios da Fox para o começo de um novo filme, agora ao lado do cantor e amigo Dean Martin. A tempestade estava próxima e Marilyn se via perdida mais uma vez em sua vida. O que aconteceria daí em diante iria causar muita dor e confusão em sua vida pessoal e profissional mas essa é uma história que contaremos em outra oportunidade. Até lá!

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Um comentário: