sábado, 22 de dezembro de 2012

Hino de uma Consciência

Nesse fim de semana assisti a esse "Hino de Uma Consciência", um filme de guerra bem diferente. Embora o filme se passe em um centro de treinamento de pilotos americanos na guerra da Coreia, o foco do roteiro e argumento não se baseiam essencialmente nisso mas sim na crise existencial que se abate sobre o protagonista. Rock Hudson aqui interpreta esse jovem coronel da força aérea dos Estados Unidos que durante a II Guerra Mundial ataca por engano um orfanato de crianças no Japão. Muitas delas morrem por causa do erro. Corroído pela culpa ele resolve se tornar ministro religioso mas sem muito poder de oratória acaba fracassando, voltando mais uma vez ao front, dessa vez como instrutor na Coreia. O curioso é que sua redenção vem na forma de ajuda humanitária à população local - seja distribuindo alimentos, seja ajudando crianças sem lar da região. O tom do filme é melodramático, arriscando muitas vezes cair na pieguice, mas que se salva ao final principalmente pelas cenas de batalha entre os caças americanos e inimigos. As boas intenções do roteiro também ajudam o filme em seu resultado final. No meio de tantas mensagens negativas que muitas vezes vemos em algumas produções, assistir a algo assim que incentive as boas ações sempre é muito bem-vindo.

Rock Hudson entrega uma interpretação contida. Ele havia acabado de perder o Oscar de Melhor ator por "Assim Caminha a Humanidade" e talvez por isso estivesse menos empenhado em impressionar. De fato o ator nem gostou muito do roteiro mas como o convite partiu de Douglas Sirk, o primeiro cineasta a lhe dar uma grande chance em Hollywood, Rock se viu na obrigação de aceitar. Ele sempre se mostrava muito agradecido e leal a quem lhe havia dado a mão e por isso não recusaria a chance de trabalhar novamente com seu mentor em Hollywood. Ao seu lado em cena temos a atriz indiana Anna Kashfi que ganhou notoriedade no cinema americano não tanto por suas interpretações mas sim por ter sido uma das mais famosas mulheres "exóticas" de Marlon Brando. Para quem não se recorda essa atriz foi a primeira esposa de Brando, mãe de seu filho Christian, que anos depois seria preso por assassinar o namorado de sua irmã. Apesar do esforço em parecer empenhada e envolvida, Kashfi deixa a desejar. Não era particularmente talentosa e nem tinha uma presença marcante em cena. Sem uma grande estrela para contracenar com Rock Hudson o filme perde muitos pontos. Além disso a química do casal é zero, o que piora ainda mais a situação. Talvez ela só esteja no filme por nepotismo de Brando. De qualquer forma "Hino de Uma Consciência" merece ser redescoberto. Sua boa mensagem aliada ao fato de termos Rock Hudson no auge de sua carreira e popularidade mantém o interesse.


Hino de Uma Consciência (Battle Hymn, EUA, 1957) Direção: Douglas Sirk / Roteiro: Charles Grayson, Vincent B. Evans / Elenco: Rock Hudson, Anna Kashfi,  Dan Duryea, Don DeFore, Martha Hyer, Jock Mahoney / Sinopse: Após bombardear um orfanato japonês durante a II Guerra Mundial um jovem piloto da força aérea dos EUA decide se redimir de seu erro se tornando ministro religioso. Após sentir que não tem vocação ele decide voltar para o front onde se trava a sangrenta Guerra da Coréia. Lá acabará encontrando uma forma de superar o seu terrível erro nos anos da Grande Guerra.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu

3 comentários:

  1. Avaliação:
    Direção: ★★★
    Elenco: ★★★
    Produção: ★★★
    Roteiro: ★★★
    Cotação Geral: ★★★
    Nota Geral: 8.0

    Cotações:
    ★★★★★ Excelente
    ★★★★ Muito Bom
    ★★★ Bom
    ★★ Regular
    ★ Ruim

    ResponderExcluir
  2. Anna kashfi foi a primeira esposa de Marlon brando ( depois foram a mexicana movita a taitiana tarita seu par em o grande motim e por ultimo a também mexicana Cristina Ruiz sua empregada) e quanto as origens anana kashfi era galesa ela mentiu para brando pois sabendo do interesse do ator por mulheres exóticos viu nisso a chance de subir na vida pois convenhamos era bonita mas nao era nenhuma vivien Leigh ou ava Gardner e quanto ao talento era tao exp4essiva quanto uma porta!

    ResponderExcluir
  3. Obrigado pela observação Cláudia. Você tem razão, Maria Luisa Castaneda (Movita) foi na verdade a segunda esposa de Marlon Brando. Ela morreu ano passado aos 98 anos de idade.

    Abraços,
    Pablo Aluísio.

    ResponderExcluir