quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

As Bruxas

Produzido pela Hammer na década de 1960, esse curioso “As Bruxas” (também conhecido como “A Face do Demônio) chama a atenção por causa de seu bom roteiro e o clima de suspense que permeia todo o enredo. A estória é relativamente simples: Gwein Mayfield (Joan Fontaine) é uma professora missionária que vai até a África como parte de um programa das Nações Unidas para a disseminação da educação em países pobres da região. Chegando lá desperta a ira dos líderes religiosos tribais que não hesitam em usar feitiços e bruxaria contra a estrangeira intrusa. De volta à Inglaterra, ainda abalada pelos ataques sofridos, ela consegue arranjar emprego em uma escola privada em uma cidade no interior. O local é bucólico, calmo, tudo o que ela realmente ansiava obter depois de sua tumultuada estadia na África negra. A beleza e tranqüilidade do local porém parece esconder sórdidos segredos pois os habitantes locais começam a ficar perturbados pelo simples romance de um casal de jovens, ambos alunos da professora Mayfield. Após o garoto sofrer uma misteriosa doença ela começa a investigar melhor os acontecimentos, o que lhe revelará a existência de uma seita secreta de culto ao demônio, com membros da mais alta classe da cidade envolvidos.

Aqui a Hammer deixa os vampiros de lado para investir na mitologia das bruxas. Rituais satânicos, sacrifícios de uma virgem, gatos simbolizando a presença do mal, tudo está lá no roteiro. O argumento procura ser mais pé no chão por isso não espere bruxas voando pelo céu com suas vassouras mágicas.  O que vale a pena nesse filme é o suspense. As peças vão se encaixando aos poucos, sem pressa. A cidade que antes parecia acolhedora e agradável vai se revelando de forma gradual como um centro de adoração a Lúcifer. Enquanto o filme vai revelando os segredos dos habitantes locais tudo caminha muito bem. “As Bruxas” só perde mesmo seu impacto quando tudo se revela ao espectador. O ritual final, com os habitantes participando, soa hoje em dia pouco assustador. O filme não tem efeitos especiais de nenhum tipo então tudo é feito da forma mais natural possível. Infelizmente algo assim tende a envelhecer muito, deixando o final mais do que datado – ao contrário de seu desenvolvimento que prende a atenção e mantém o interesse. Talvez se tudo ficasse apenas sugerido soasse melhor. Joan Fontaine era boa atriz e defendeu seu papel com convicção. A direção também conseguiu desenvolver bem o tema. De qualquer modo é uma produção de terror da década de 1960 que vale a pena assistir. Um bom exemplo do tipo de produção que a Hammer desenvolvia naqueles anos.

As Bruxas / A Face do Demônio (The Witches, Inglaterra, 1966) Direção: Cyril Frankel / Roteiro: Nigel Kneale, baseado no livro de Norah Lofts / Elenco: Joan Fontaine, Kay Walsh, Alec McCowen / Sinopse: Professora recém chegada de um evento missionário na África arranja emprego numa bucólica cidade do interior da Inglaterra. Após alguns acontecimentos sinistros ela acaba descobrindo a existência de uma seita de adoradores do Diabo na região.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Um comentário:

  1. Avaliação:
    Direção: ★★★
    Elenco: ★★★
    Produção: ★★★
    Roteiro: ★★★
    Cotação Geral: ★★★
    Nota Geral: 7.2

    Cotações:
    ★★★★★ Excelente
    ★★★★ Muito Bom
    ★★★ Bom
    ★★ Regular
    ★ Ruim

    ResponderExcluir