sábado, 13 de abril de 2013

Adorável Pecadora

Penúltimo filme de Marilyn Monroe. No simpático enredo ela interpreta Amanda Dell, uma cantora e dançarina que cai nas graças de um francês extremamente rico, Jean Marck Clement (Yves Montand). Confundido com um aspirante a ator ele acaba entrando na peça onde Amanda se apresenta e começa a investir romanticamente na colega mas não consegue êxito. Ela parece estar apaixonada mesmo por Tony Danton (Frankie Vaughan), o protagonista da peça. Sem contar a Amanda (Monroe) que é podre de rico ele começa então um novo plano para conquistar a beldade. “Adorável Pecadora” é uma comédia romântica que investe bastante nas tomadas musicais e nos relacionamentos divertidos e complicados dos personagens principais. Seu resultado nas bilheterias foi apenas mediano mas o filme se notabilizou mesmo por causa das deliciosas histórias de bastidores. O casamento entre Marilyn Monroe e Arthur Miller estava em frangalhos e assim que começaram as filmagens Marilyn se apaixonou por Yves Montand. Era uma atração muito previsível. Montand, como todo bom francês, era também um conquistador nato. Para Marilyn ele era antes de tudo um europeu exótico. Como não perdia a chance de ter uma nova aventura sempre que ela surgisse pela frente nem pensou duas vezes antes de cair nos braços do ator.

O problema era que o colega e companheiro de cena também era casado com Simone Signoret o que acabou criando dentro do set um triângulo amoroso tão ou mais complicado do que o próprio roteiro do filme! Marilyn também passava por um momento muito conturbado em sua saúde, com abuso constante de medicamentos e álcool. Ela quase sempre misturava suas pílulas para dormir com champagne francês a qualquer hora do dia ou da noite, uma combinação perigosa e potencialmente fatal que atrapalhava muito também em seu desempenho. No filme ela aparenta estar meio desnorteada, muito pálida e com o semblante perdido. Mesmo assim ainda consegue encantar, inclusive ao cantar muito bem a divertida “My Heart Belongs To Daddy”. Vendo a atriz soltando a voz em cena não podemos deixar de elogiar seu estilo sensual e diria até mesmo bonito timbre vocal. Ela certamente não era uma cantora profissional mas sempre se saía muito bem nos números musicais de seus filmes. Isso era resultado e fruto de muitos anos de aulas de canto pagos pelos estúdios Fox. Marilyn também passava dias ouvindo em seu quarto a sua cantora preferida, Ella Fitzgerald. O próprio estilo vocal que desenvolveu inclusive é uma bonita variação dessa fabulosa diva do jazz. Assim “Adorável Pecadora” foi salvo pela bonita voz de Monroe, pelos talentosos números musicais e pelas ótimas histórias de alcova de sua produção. Um bom momento na carreira da musa Marilyn Monroe que merece ser redescoberto por fãs e amantes de musicais da década de 1960. Não deixe de conhecer.


Adorável Pecadora (Let´s Make Love, EUA, 1960) Direção: George Cukor / Roteiro: Norman Krasna, Hal Kanter / Elenco: Marilyn Monroe, Yves Montand, Tony Randall / Sinopse: Bilionário francês (Yves Montand) se apaixona por linda corista (Marilyn Monroe) que não se mostra muito interessada em seus avanços românticos. Filme indicado ao Oscar na categoria de Melhor Música Original. Também indicado ao Globo de Ouro na categoria de Melhor Filme - Musical ou Comédia.

Pablo Aluísio e Erick Steve.  

2 comentários:

  1. A MM oscilava entre a sensualidade e a vulgaridade em seus filmes. Aqui ela está mais para o lado vulgar. Acho o filme apenas mais ou menos.

    ResponderExcluir
  2. Avaliação:
    Direção: ★★★
    Elenco: ★★★
    Produção: ★★★
    Roteiro: ★★★
    Cotação Geral: ★★★
    Nota Geral: 7.6

    Cotações:
    ★★★★★ Excelente
    ★★★★ Muito Bom
    ★★★ Bom
    ★★ Regular
    ★ Ruim

    ResponderExcluir