terça-feira, 16 de abril de 2013

O Dia do Chacal

Paris, agosto de 1962. O então presidente da França, Charles de Gaulle segue os preparativos para seguir rumo ao aeroporto obedecendo mais uma viagem oficial; do lado de fora, agentes da OAS, inimigos mortais do presidente francês, encontram-se posicionados para mais uma tentativa de matar de Gaulle. Os carros oficiais levando o presidente e sua comitiva saem do palácio e caem na emboscada, sendo duramente metralhados pelos homens da OAS. Por um verdadeiro milagre, Charles de Gaulle e sua comitiva saem ilesos do atentado sem sofrer um arranhão sequer. Depois de seis meses de investigações, todos os integrantes da OAS que participaram da emboscada, além de seu líder Jean Bastien-Thiry, são condenados à morte por fuzilamento. A OAS ainda estava de pé e ainda fazia planos para matar Charles de Gaulle. Um ano após a frustrada tentativa de executar o presidente francês, três dos principais líderes da OAS, estão reunidos numa região remota da Áustria. O plano agora é contratar um matador profissional que seja de fora da França. Depois de uma procura muito grande, os cabeças da OAS chegam a um tarimbado matador de aluguel de nacionalidade inglesa com experiência de vários atentados pelo mundo. Ele se apresenta sob o codinome: Chacal. Depois de tomar conhecimento dos planos da OAS de assassinar Charles de Gaulle, o Chacal concorda, mas em troca pede uma pequena fortuna. A primeira parte do pagamento sendo à vista e a outra, após a missão cumprida. Depois que a OAS deposita a primeira parte do dinheiro, o Chacal começa a executar minuciosamente os planos de matar o presidente francês. Assume uma nova identidade, com passaporte e nome falsos. Até a chegada do grande dia, em que ele terá de Gaulle em sua alça de mira, o matador de aluguel eliminará friamente, um por um, todos aqueles que cruzarem seu caminho ou atrapalharem seus planos.

Com direção do excepcional Fred Zinnemann e baseado na clássica obra homônima do mestre das letras, Frederick Forsyth - "O Dia do Chacal" (The Day of the Jackal - 1973) conta a história dos planos da OAS (Organização Armada Secreta) formada por militares desertores e ex-funcionários públicos, em matar o presidente Charles de Gaulle. Os motivos que insuflaram a Organização estão baseados na descolonização da Argélia promovida pelo presidente francês em 1962 e que pôs fim às várias regalias desses mesmos funcionários públicos e militares que viviam na Argélia uma vida corrupta e cheia de mordomias. O "tour de force" que marca o longa, fica a cargo do ator inglês Edward Fox, que faz o papel do Chacal e do seu perseguidor implacável, o também ator inglês, Terence Alexander que vive o inspetor Lloyd. O Dia do Chacal é um suspense notável construído em cima de um roteiro fantástico assinado pelo roteirista Kenneth Ross do clássico, "Irmão Sol, Irmã Lua".

O Dia do Chacal (The Day of the Jackal, Inglaterra, França, 1973) Direção: Fred Zinnemann / Roteiro: Kenneth Ross baseado no livro "O Dia do Chacal" de Frederick Forsyth / Elenco: Edward Fox, Terence Alexander, Michel Auclair / Sinopse: "O Dia do Chacal" narra os preparativos e planos para o assassinato de Charle De Gaulle pelo assassino profissional conhecido como "Chacal". Indicado ao Oscar de Melhor Edição. Indicado ao Globo de Ouro nas categorias de melhor filme / drama, melhor direção e melhor roteiro. Vencedor do BAFTA na categoria de melhor edição.

Telmo Vilela Jr.

4 comentários:

  1. Texto muito bom, gostei. Antigamente os terroristas tinham mais classe.Hoje em dia explodem panelas de pressão em maratonas cheias de mulheres e crianças indefesas.

    ResponderExcluir
  2. Eddie Maciel, obrigado pela participação e pelo elogio. Escrevi este texto com muito cuidado para não revelar partes importantes e até vitais do filme. Realmente trata-se de uma obra-prima do cinema e uma das melhores adaptações de obras literárias que já vi. Obrigado e um grande abraço...

    Telmo Vilela Jr.

    ResponderExcluir
  3. O Pablo, que susto, eu pensei que OAS fosse a Mega Construtora do genro do falecido senador, Antonio Carlos Magalhães (OAS - obrigado amigo sogro) senador esse que já foi chamado de Toninho Malvadeza, mas daí, mandar matar o presidente da França!, já seria demais!

    ResponderExcluir
  4. Avaliação:
    Direção: ★★★
    Elenco: ★★★
    Produção: ★★★
    Roteiro: ★★★
    Cotação Geral: ★★★
    Nota Geral: 8.0

    Cotações:
    ★★★★★ Excelente
    ★★★★ Muito Bom
    ★★★ Bom
    ★★ Regular
    ★ Ruim

    ResponderExcluir