sexta-feira, 10 de maio de 2013

Morituri

Logo no começo de 1964 Marlon Brando voltou a Hollywood para fazer mais um filme para a Twentieth Century Fox. O produtor seria o poderoso Darryl Zanuck, um sujeito que Brando particularmente detestava mas que havia lhe oferecido um grande cachê para estrelar o filme. Marlon então engoliu seu orgulho e resolveu trabalhar na película. O fato é que ele estava desesperadamente precisando de dinheiro. Brando havia comprado uma ilha isolada no Pacífico Sul e tinha planos de construir um grande hotel no local. O filme também contaria no elenco com a presença de seu grande amigo pessoal, Wally Cox, que interpretaria um médico viciado em morfina. Anos depois relembrando a época em que fez Morituri Brando afirmou: “Fiz esse filme por causa do dinheiro. Também aceitei trabalhar por causa de Wally Cox, o melhor amigo que tive em minha vida”. Talvez por ter entrado no projeto pelas razões erradas, talvez por não gostar muito do material o fato é que assim que pisou no set de filmagens Brando começou a criar problemas com o diretor e o resto da equipe técnica.

O roteiro foi escrito pelo talentoso Daniel Taradash, o mesmo roteirista do aclamado “A Um Passo da Eternidade” mas Brando detestou o que leu. Passou por cima do texto original e disse que iria fazer modificações. Ignorando completamente o livro que deu origem ao roteiro, Brando saiu cortando trechos inteiros da estória ao seu bel prazer. Na verdade o ator destruiu o roteiro original e passou a reescrever tudo no meio das filmagens, um ato temerário uma vez que ele nunca fora roteirista na vida. Sua intromissão foi tão grande que em pouco tempo ele estava cortando personagens inteiros da trama. Mesmo agindo assim, de forma completamente arbitrária, não foi impedido pois afinal de contas era um grande astro do cinema americano. O resultado final se mostrou desastroso. O roteiro ficou completamente truncado, mal desenvolvido e com uma trama até mesmo confusa. O filme acabou indo muito mal de público, se tornando um dos primeiros grandes fracassos do ator nas bilheterias. Ele deu de ombros e voltou para sua ilha no Taiti. Depois confidenciou a pessoas próximas que até tinha gostado do fato do filme não ter tido sucesso pois o prejuízo cairia no colo de Zanuck. Brando esqueceu porém que um filme mal sucedido não atinge apenas os produtores mas os atores também. Por essa época ele começou a ser descartado das escolhas de elenco por ser um ator muito complicado de se lidar no set. Também deixou de ser visto como um astro campeão de bilheteria. Era o começo da pior fase de sua carreira.


Morituri (Idem, EUA, 1965) Direção: Bernhard Wicki / Roteiro: Daniel Taradash, Marlon Brando (não creditado), baseados no romance escrito por Werner Jörg Lüddecke / Elenco: Marlon Brando, Yul Brynner, Janet Margolin, Wally Cox / Sinopse: Robert Gray (Marlon Brando) é um agente duplo do serviço de inteligência britânico. Durante a II Guerra Mundial ele se faz passar por oficial nazista em um cargueiro em alto mar que transporta uma preciosa carga para o esforço de guerra alemão. Seu objetivo é facilitar a captura do cargueiro pela marinha inglesa antes que chegue em seu porto de descarga.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu. 

Um comentário:

  1. Avaliação:
    Direção: ★★★
    Elenco: ★★★
    Produção: ★★★
    Roteiro: ★★★
    Cotação Geral: ★★★
    Nota Geral: 7.2

    Cotações:
    ★★★★★ Excelente
    ★★★★ Muito Bom
    ★★★ Bom
    ★★ Regular
    ★ Ruim

    ResponderExcluir