quarta-feira, 13 de novembro de 2013

O Absolutismo - A Ascensão de Luís XIV

Título no Brasil: O Absolutismo - A Ascensão de Luís XIV
Título Original: La Prise de Pouvoir Par Louis XIV
Ano de Produção: 1966
País: França
Estúdio: ORTF
Direção: Roberto Rossellini
Roteiro: Philippe Erlanger, Jean Gruault
Elenco: Jean-Marie Patte, Raymond Jourdan, Silvagni

Sinopse: Luís XIV, Rei absolutista da França, precisa lidar com as crises de seu governo, as intrigas palacianas e as paixões dentro da corte enquanto organiza muito luxo e riqueza para ostentar de forma suntuosa nos corredores de seus palácios reluzentes. Não é para menos que o monarca passaria para a história conhecido como "O Rei Sol".

Comentários:
"O Absolutismo - A Ascensão de Luís XIV" é uma superprodução histórica do mestre Roberto Rossellini sobre os primeiros anos do reinado do "Rei Sol", Luís XIV (1643-1715), o maior monarca absolutista da França. Belo filme que se concentra nos detalhes e cotidiano da corte do afetado monarca da França. Gostei da reconstituição histórica e da rica produção. Mostra acima de tudo que debaixo das perucas e dos babados o Rei era um homem extremamente inteligente e ciente do que ocorria em seu país e não apenas o alienado fútil e alheio ao mundo ao redor que geralmente emerge das páginas de alguns livros de história. Outro aspecto que deve ser considerado é que no cinema europeu de uma forma geral temos um outro ritmo, um tipo diferente de dramaturgia. Nada de licenças poéticas e invencionices, tão comuns em filmes americanos. Roberto Rossellini procura ser o mais realista possível, sem arroubos insanos ou espaço para coisas desnecessárias. No final de tudo o que temos é de fato um filme realmente excepcional, muito recomendado.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

 

3 comentários:

  1. O que se percebe no filme é que tanto o Cardeal Mazarino, quanto o superintendente de finanças do reino, o Sr. Fouquet, aproveitam as suas funções administrativas para se favorecerem financeiramente. O cardeal Mazarino se aproveitou do seu cargo e se tornou o homem mais rico da Europa em meados do século XVII através das abadias que eram da Igreja, mesmo assim o cardeal as usava para possuir riquezas.
    Já o Sr. Fouquet utilizava-se do seu cargo de superintendente de finanças para desviar recursos para si, enquanto o reino estava sem esses próprios recursos. Foi o ponto de chegada de um processo iniciado na Idade Média e que representou a derrota da nobreza pela monarquia e a afirmação do soberano (Rei) e do Estado nacional. Isso foi possível pelo cansaço das guerras de religião, pela riqueza provinda das novas descobertas e o apoio da burguesia.
    O Absolutismo foi o regime da centralização: os soberanos passaram a concentrar todos os poderes, ficando os cidadãos excluídos de qualquer participação e controle na vida pública. A base social do Absolutismo era o privilégio: honras, riquezas e poderes eram reservados a um pequeno grupo de pessoas.

    ResponderExcluir
  2. Ótimas informações Edinalva, obrigado por acrescentar tanto ao post e pela participação mais do que bem-vinda. Abraços, Pablo Aluísio.

    ResponderExcluir
  3. Avaliação:
    Direção: ★★★
    Elenco: ★★★
    Produção: ★★★
    Roteiro: ★★★
    Cotação Geral: ★★★
    Nota Geral: 7.5

    Cotações:
    ★★★★★ Excelente
    ★★★★ Muito Bom
    ★★★ Bom
    ★★ Regular
    ★ Ruim

    ResponderExcluir