quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

O Adeus de Marilyn Monroe

Após sua morte o corpo de Marilyn Monroe ficou por algumas horas à espera de algum familiar que cuidasse de seus documentos e funeral. Ninguém apareceu. Não era de se admirar. Marilyn praticamente não tinha mais parentes vivos e sua mãe estava internada em um hospital para doentes mentais. Quando soube disso seu ex-marido Joe DiMaggio pegou o primeiro avião para Los Angeles. Ele assumiria os preparativos e o funeral de sua querida ex-esposa.

A primeira providência foi levar a equipe de maquiagem de Marilyn para a casa funerária. A autópsia pela qual havia passado tinha desfigurado a beleza de uma das mulheres mais belas da história do cinema. Seu cabelo estava queimado nas raízes e seu busto desaparecera após os procedimentos cirúrgicos. Marilyn havia pedido ao seu maquiador que quando morresse ele cuidaria dela. Whitey Snyder e sua esposa então começaram os trabalhos para trazer de volta à Marilyn Monroe que todos lembravam. Um peruca loira foi providenciada, a mesma que ela usara no filme "Os Desajustados", pois não havia mais como fazer nada em relação ao seu cabelo e duas pequenas almofadas foram utilizadas para recriarem o busto de que Marilyn tinha tanto orgulho. Marilyn então foi vestida com um modelo Pucci muito simples, que ela adorava em vida. Como toque final o maquiador enrolou em seu pescoço uma bonita echarpe de Chiffon.

Lá fora a confusão era enorme. A imprensa tentava tirar declarações de Joe DiMaggio mas esse se recusou a falar. Ao contrário disso providenciou uma cripta no cemitério de Westwood Memorial Park, que tinha um sistema de urnas funerárias, ao contrário de covas. Marilyn tinha pavor de ser enterrada debaixo do chão e havia comentado com DiMaggio que gostaria de repousar após sua morte em uma urna como a de Westwood. Era um cemitério moderno para os anos 60, ao lado de uma avenida movimentada e uma loja de carros usados. Não se parecia em nada com um cemitério comum, pois tudo parecia muito calmo, com amplas galerias, jardins e bancos brancos para os visitantes ficarem à vontade. Era uma cripta de parede de mármore, tudo com muito bom gosto.

DiMaggio também soltou uma pequena nota para a imprensa que dizia: "O funeral de Marilyn Monroe será muito simples de forma que ela possa ir para seu descanso final na paz que sempre procurou". Depois mandou avisar que qualquer doação deveria ser revertida para instituições de caridade de amparo a crianças carentes e órfãs, como a própria Marilyn Monroe havia sido um dia.


Todos os grandes figurões de Hollywood queriam comparecer ao funeral de Marilyn mas Joe DiMaggio fez uma lista de apenas 24 convidados. Qualquer outra pessoa seria barrada. Frank Sinatra ficou de fora e sentiu-se ofendido. Rumou ao cemitério e forçou sua entrada mas foi barrado aos safanões por grandalhões contratados por DiMaggio. Ele considerava Sinatra um cretino, um calhorda, que havia explorado Marilyn Monroe. Além disso o fato de Sinatra ter sido amigo dos Kennedy o deixava imediatamente na lista negra de DiMaggio. Sobre a família Kennedy o ex-marido de Marilyn foi firme e incisivo: "Certifiquem-se de que nenhum maldito membro da família Kennedy esteja por aqui no funeral!". Sammy Davis Jr e a cantora Ella Fitzgerald também foram barrados nos portões do cemitério. Dean Martin, que conhecia muito mais o temperamento de DiMaggio se limitou a enviar uma pequena coroa de flores, gesto que foi imitado por Marlon Brando.

A cerimônia foi breve. Ao som de "Over The Rainbow" o corpo de Marilyn foi encomendado. Ela era fã de Judy Garland e por isso DiMaggio pediu que a canção fosse tocada. Depois disso seu caixão foi aberto por alguns minutos. O último a se despedir foi o próprio DiMaggio que em prantos beijou a ex-esposa pela última vez declarando: "Eu te amo!". Marilyn tinha um pequeno buquê de flores nas mãos. Depois disso um pequeno cortejo levou Marilyn até seu local de descanso eterno. Na lápide ao invés de "Norma Jean", DiMaggio preferiu colocar o nome pelo qual ela sempre será lembrada com a singela inscrição "Marilyn Monroe - 1926 - 1962" ao lado um pequeno local para colocar flores. Tudo muito simples mas elegante.

Enquanto foi vivo DiMaggio mandou depositar flores novas diariamente na cripta. O envio foi só suspenso em 1999 com sua morte. O local virou ponto turístico em Los Angeles e outros astros famosos também foram sepultados perto de Marilyn, como por exemplo Natalie Wood que jaz a poucos metros da cripta da colega.

Em 2009 foi realizado um leilão para venda da cripta acima da Marilyn Monroe. O maior lance de 4,6 milhões de dólares foi o vencedor. O local estava ocupado por um homem morto em 1981, Richard Poncher. A viúva do sujeito então resolveu exumar o marido para ganhar essa pequena fortuna. Isso demonstra bem que apesar de todos os anos passados o mito de Marilyn Monroe sobrevive, tão forte como na época de sua morte, afinal o sol nunca se põe sobre os grandes mitos do cinema.

Pablo Aluísio.

Um comentário: