quarta-feira, 1 de janeiro de 2014

O Manto Sagrado

Título no Brasil: O Manto Sagrado
Título Original: The Robe
Ano de Produção: 1953
País: Estados Unidos
Estúdio: 20th Century-Fox
Direção: Henry Koster
Roteiro: Albert Maltz, Philip Dunne, baseados na obra de Lloyd C. Douglas 
Elenco: Richard Burton, Jean Simmons, Victor Mature, Jay Robinson

Sinopse: Após um atrito com o futuro imperador Caligula (Jay Robinson) em um leilão de escravos, o tribuno Marcellus Gallio (Richard Burton) é enviado como punição para a distante Judéia onde começa a prestar serviço militar na cidade de Jerusalém, durante a Páscoa. Lá acaba tomando contato com o turbulento quadro político local onde o povo judeu espera por um Messias que o libertará do poder do Império Romano. Ao lado de seu escravo Demetrius (Victor Mature) acaba participando da crucificação de um homem chamado Jesus que se diz filho de Deus. Após sua morte na cruz ele ganha seu manto em um jogo de dados. O contato com a relíquia e a mensagem do Nazareno porém mudará completamente sua vida.

Comentários:
Esse filme pode ser analisado sobre três pontos de vista: religioso, histórico e cinematográfico. Sob o ponto de vista religioso é uma obra bem intencionada que procura mostrar o surgimento do Cristianismo logo nos primeiros meses após a morte de Jesus Cristo. A mensagem em si, de não violência, de renúncia (inclusive da vida como vemos nos casos dos mártires que se recusam a negar Cristo em troca de não serem condenados à morte) são relevantes e pertinentes. A figura de Pedro surge também bem fiel aos escritos e tradições dos primeiros anos da nova fé. Assim olhando puramente a mensagem que o filme tenta passar ao seu público não há o que criticar.


O fato porém é que nem só de boas intenções pode viver o cinema. Assim temos que analisar a produção também sob o ponto de vista da história e nesse aspecto não há como negar que o roteiro apresenta várias falhas. Só para citar um exemplo temos uma cena em que o próprio Imperador Tibério recebe a notícia da morte de um suposto Messias em Jerusalém e fica bastante abalado com o fato. Chega ao ponto de fazer um pequeno discurso sobre o perigo da nova fé que poderia destruir os alicerces da sociedade romana como um todo! Ora, historiadores concordam que Tibério sequer tomou conhecimento da existência de Cristo já que até sua morte o Cristianismo ainda não tinha tomado as proporções que iriam atingir em épocas posteriores, como a de Nero. Na verdade como se trata de um romance temos que esperar por esse tipo de licença poética, onde personagens que realmente existiram surgem em cenas de pura ficção.


Finalmente sob o ponto de vista puramente cinematográfico não há do que reclamar. "O Manto Sagrado" é um típico épico Made in Hollywood dos anos 50, com cenas grandiosas, impactantes, muito luxo no figurino e um texto sentimental, que não tem vergonha de ser piegas em certos momentos. Há uma clara tentativa do roteiro em agradar diversos públicos pois ao lado do sentimento religioso temos também um pouco de romance, aventura (como na cena em que os homens de Marcellus Gallio tentam libertar Demetrius das masmorras do Império e na perseguição de cavalos logo após) e até debate político. O mais importante porém é que temos em mãos um ótimo exemplo de entretenimento com verniz religioso dos anos 50 que ainda se revela dos mais competentes. Não é à toa que marcou tanto em sua época de lançamento. Certamente vale ser redescoberto nos dias atuais.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

Um comentário:

  1. Avaliação:
    Direção: ★★★
    Elenco: ★★★
    Produção: ★★★
    Roteiro: ★★★
    Cotação Geral: ★★★
    Nota Geral: 7.7

    Cotações:
    ★★★★★ Excelente
    ★★★★ Muito Bom
    ★★★ Bom
    ★★ Regular
    ★ Ruim

    ResponderExcluir