domingo, 4 de maio de 2014

85 Anos de Audrey Hepburn

Se estivesse viva a belga Audrey Kathleen Ruston ou como ficou internacionalmente conhecida, Audrey Hepburn, estaria completando nesse dia 4 de maio seu aniversário de 85 anos de idade. Audrey foi durante décadas símbolo de elegância e finesse feminina em (poucos) 31 filmes de que participou. É até de se admirar que ela tenha virado um mito da sétima arte com uma filmografia tão pequena, isso em uma época em que era comum atrizes e atores atingirem a marca das cem produções. Qual afinal foi seu diferencial? Audrey Hepburn era de certa forma a antítese das estrelas de cinema que se destacavam por uma sensualidade mais latente, quase vulgar. O símbolo máximo era Marilyn Monroe com toda a sua sexualidade à flor da pele. Audrey não era loira, nem alta, não tinha seios fartos e nem bumbum arrebitado. Na verdade seu estilo era bem outro, mais contido, sem roupas extravagantes, mas extremamente finas e elegantes. Não tardou e virou um símbolo também do mundo da alta costura.

Assim sua imagem ficou associada a outro padrão de beleza. Não a da loira sensual mas sim da mulher que primava pela sofisticação no estilo de se vestir e se comportar. Como havia nascida na Europa ela herdou todo o requinte do velho continente. Sua estreia nas telas se deu no distante ano de 1951 quando interpretou uma simples recepcionista em "One Wild Oat". Era apenas uma jovenzinha tentando chamar a atenção, aceitando o que aparecia pela frente, inclusive personagens inexpressivos que nem nomes possuíam. Sua sorte porém mudaria completamente dois anos depois quando estrelou ao lado de Gregory Peck o clássico romântico "A Princesa e o Plebeu". Depois desse filme sua persona nas telas ficou definida para sempre. Audrey interpretaria uma série de mulheres elegantes, simples mas sofisticadas, com um bom gosto para o mundo da moda à toda prova.

Um ano depois arrasou em "Sabrina", romance sofisticado dirigido pelo grande Billy Wilder. O cineasta que havia perdido a cabeça com as manias de Marilyn Monroe em "Quanto Mais Quente Melhor" viu em  Audrey Hepburn o tipo de atriz que tanto procurava. Ótima profissional, sempre com o texto na ponta da língua, além de muito educada, fina e requintada. Ao longo da carreira Hepburn sempre tivera a sorte grande de contracenar com grandes ídolos da história de Hollywood. Já tinha tido a sorte de dividir a tela com Gregory Peck e em "Sabrina" novamente atuou ao lado de dois grandes nomes do cinema americano,  Humphrey Bogart e William Holden. O filme fez grande sucesso de bilheteria e até hoje é visto como um modelo para os filmes românticos.

Parecia que Audrey havia chegado ao topo da carreira após esses excelentes filmes mas para sua surpresa o melhor ainda estaria por vir. O clássico "Guerra e Paz", a simpática "Cinderela em Paris" e o drama "Uma Cruz à Beira do Abismo" consolidaram sua carreira de uma vez por todas. Por suas atuações ela deixou de ser simplesmente considerada uma atriz bonita que interpretava personagens gracinhas para ser levada à sério também como profissional séria e respeitada. A Academia já tinha reconhecido isso. Ela foi indicada cinco vezes ao Oscar, tendo vencido justamente por "A Princesa e o Plebeu".

Em 1961 Audrey Hepburn realizou aquele que é considerado o maior clássico de sua carreira, "Bonequinha de Luxo". O roteiro era do grande escritor Truman Capote e a direção de Blake Edwards combinou perfeitamente com o texto, ora irônico, ora mordaz, mas sempre por demais intrigante e inteligente. A atuação como Holly Golightly entrou definitivamente no inconsciente coletivo da sétima arte e sua imagem com aquele figurino se tornaria definitiva para Hepburn em sua carreira. Ela recebeu mais uma indicação ao Oscar e mais uma aclamação popular pois o filme foi mais um grande sucesso de bilheteria.

A partir daí sua carreira foi recheada de bons filmes que ela foi realizando com certa regularidade até 1967. Nesse ano, após realizar o ótimo "Um Clarão nas Trevas", Audrey Hepburn decidiu que era hora de dar uma parada. Retirou-se do cinema e ficou por longos nove anos fora das telas. Queria repensar sua carreira e retomar aspectos de sua vida pessoal que para ela tinham sido deixados de lado. Só voltaria mesmo em 1976 com o subestimado "Robin e Marian". Foi uma experiência válida mas não muito prazerosa para a atriz que tinha focado sua vida em outros interesses, inclusive assuntos humanitários, causa que ela defenderia até o fim de seus dias.

Audrey Hepburn deu adeus definitivamente à sétima arte em 1989 no lírico "Além da Eternidade" de Steven Spielberg. O diretor utilizou de toda a sua influência para que o mito voltasse para uma última aparição. Ela interpretava um anjo, algo muito adequado aliás. Embora não tenha sido um grande filme a produção cumpriu bem seus objetivos. Sem dúvida uma despedida digna do cinema para um de seus maiores mitos. Hepburn morreria alguns anos depois, com apenas 63 anos, em sua propriedade particular na Suíça, na cidade de Tolochenaz.

O Melhor de Audrey Hepburn
A Princesa e o Plebeu (1953)
Sabrina (1954)
Cinderela em Paris (1957)
Uma Cruz à Beira do Abismo (1959)
Bonequinha de Luxo (1961)
Infâmia (1961)
Charada (1963)
Minha Bela Dama (1964)
Um Clarão nas Trevas (1967)
Robin e Mariah (1976)

Pablo Aluísio.

Um comentário: