sábado, 18 de outubro de 2014

As vidas de Marilyn Monroe - Parte 2

O sucesso de "Os Homens Preferem as Loiras" fez com que a Fox desse uma estrela na calçada da fama para Marilyn Monroe e Jane Russell, as estrelas do filme. Era uma grande honraria, só dada aos grandes astros e estrelas do passado. Jane reagiu muito bem à homenagem, chegando a dizer que "Já estava na hora" disso acontecer. Já Marilyn ficou completamente apavorada. Ela sentia-se muito jovem para ter sua própria estrela da fama e além disso passava longe de se considerar naquela altura de sua vida uma verdadeira estrela de cinema. No máximo Marilyn se achava uma modelo que tivera a sorte grande de ser levada à sério como atriz. A insegurança e o medo de ir para a cerimônia se tornou mais uma vez um problema. Como recorda sua cabeleireira particular Gladys, a quem Marilyn chamava carinhosamente de Gladyness, ela ficou em crise quando soube que seria homenageada em Hollywood. "Marilyn tinha um problema de auto estima muito grave, desenvolvido provavelmente em seus anos como órfã, em lares adotivos onde ninguém dava muita atenção para ela. Quando se é assim qualquer elogio ou homenagem é visto como algo embaraçoso demais para se lidar. Assim na manhã do dia em que haveria a fixação de sua estrela na calçada da fama ela me ligou logo cedo. Pelo tom de sua voz pensei que era algo muito sério, pois ela parecia estar em pânico. Quando cheguei em sua casa, dirigindo em alta velocidade, pude perceber que Marilyn estava aterrorizada na verdade apenas por não saber qual vestido usaria naquela tarde!". A insegurança de Marilyn já tinha ficado clara para sua amiga Jane Russell que relembrou anos depois em uma entrevista: "Marilyn era completamente insegura. Ela chegava mais cedo do que eu no set de filmagens, completamente preparada, com o texto na ponta de língua, mas ficava apavorada demais dentro do camarim, com medo de enfrentar a câmera. Era algo patológico em sua personalidade".

Para aliviar a tensão Marilyn começou a tomar doses e mais doses de Vodka russa. Quando chegou na calçada da fama ao lado de Jane Russell já estava devidamente calibrada para enfrentar aquele momento. Tudo o que ela tinha que fazer era molhar as mãos para colocar no cimento fresco e depois assinar com um palitinho seu nome ao lado da estrela da fama. Só sorrisos, ensaiou até algumas piadas para o público presente, dizendo que Jane deveria se abaixar para que o cimento preservasse seu famoso busto - e não parou por aí, chegou a dizer que iria sentar no cimento para que seu bumbum ficasse eternamente gravado na calçada da fama em Hollywood. Era óbvio que Marilyn estava de fogo por causa da vodka que havia tomado, mas ninguém se importou muito com isso, todos riram e a cerimônia foi um sucesso de divulgação e publicidade. A Fox até colocou um pequeno diamante no pingo do "i" de Marilyn para causar ainda mais impacto nos jornais (no final do dia os próprios funcionários do estúdio foram até o local para tirar a peça valiosa, uma vez que seria seguramente roubada durante a noite). Marilyn ficou extasiada com a homenagem e começou a dizer para amigos que pela primeira vez sentia-se uma verdadeira estrela. Todos na Fox a adoravam pois Marilyn procurava tratar todos os funcionários de maneira igual, fossem eles altos executivos ou empregados comuns, como faxineiros, maquiadoras, cabeleireiras, guardas, etc. Marilyn conhecia todos pelo nome e sempre os cumprimentava, mesmo depois quando virou a maior estrela do estúdio. No fim de ano ela também providenciava pequenas lembranças para todos, presentes que saía distribuindo a cada um. Eram mimos simples, mas significativos, que ela fazia questão de presentear.

Para sua professora particular de interpretação, Natasha Lytess, Marilyn foi além e deu de presente seu próprio carro, um Potomac branco que havia sido dado a ela pela Fox. O relacionamento de Natasha Lytess com Marilyn aliás ia muito além da simples relação professora-aluna. Natasha tinha desenvolvido ao longo dos anos uma grande paciência com a personalidade e o modo de agir de Marilyn. Como se sabe Marilyn poderia ser uma doce pessoa, quase uma criança indefesa, como também um monstro de irritação e ataques de raiva, pânico ou depressão. Natasha conseguia passar por cima de tudo isso. Para muitos autores a professora de Marilyn era na verdade lésbica e tinha uma grande atração pela atriz. Ao que tudo indica Marilyn, que era muito sensitiva sobre esse tipo de questão, logo percebeu que sua professora estava apaixonada por ela, e procurou respeitar sua opção sexual, mas sempre deixando subentendido nas entrelinhas que jamais haveria um romance entre elas. A verdade é que Marilyn Monroe tinha curiosidade em relação às lésbicas, embora soubesse que era cem por cento heterossexual. Naqueles tempos o preconceito era muito forte na sociedade e os gays em geral eram tratados como verdadeiras párias da sociedade. Marilyn porém tinha uma visão diferente e procurava respeitar todos eles. Quando alguém lhe contava uma piada sobre bichas, Marilyn imediatamente se sentia ofendida, dizendo que aquilo não era engraçado, mas sim um grande desrespeito com as pessoas homossexuais.

A verdade é que a atriz precisava mesmo de uma pessoa com muita paciência para lidar com ela no dia a dia. Monroe era completamente desorganizada em sua vida cotidiana. Ela poderia levar horas para chegar em um encontro e mesmo quando era algo relacionado ao seu trabalho a atriz poderia simplesmente esquecer de aparecer. Mais de uma vez ligou para Natasha para que ela a viesse buscar na rodovia de Los Angeles pois tinha esquecido de colocar gasolina em seu carro e tinha ficado parada no meio do caminho, sem combustível. Seu apartamento era de uma bagunça incrível, com roupas jogadas pelo chão e móveis fora do lugar. Anos depois Natasha confidenciou que tinha ficado chocada na primeira vez que entrou no apê de Marilyn. Havia roupas em todos os lugares, malas abertas, gavetas fora do lugar. Por anos Marilyn havia vivido em diversos apartamentos perto de Hollywood. Quase sempre deixava de pagar o aluguel e era despejada. Isso criou nela um hábito de deixar sua mala sempre por perto, pois era quase certo ela de repente precisaria colocar tudo dentro dela para ser despejada mais uma vez. Contas de telefone também eram outro problema na vida de Marilyn. Ela ficava horas e horas conversando ao telefone, mas nunca se lembrava de pagar as contas. Ao longo da vida Marilyn foi processada mais de dez vezes por longas contas de telefone que nunca pagou.

Pablo Aluísio. 

Um comentário:

  1. Cinema Clássico - Pablo Aluísio
    As Vidas de Marilyn Monroe
    Todos os direitos reservados.

    ResponderExcluir