terça-feira, 4 de novembro de 2014

As vidas de Marilyn Monroe - Parte 3

O sucesso de "Os Homens Preferem as Loiras" elevou Marilyn Monroe ao time das grandes atrizes de Hollywood. De repente a jovem aspirante que estava sempre implorando por papéis insignificantes havia sido catapultada para o grupo de elite do elenco da Fox. Com o sucesso veio também a pressão. Marilyn era agora nome certo nas listas das principais festas e premiações da indústria do cinema. Além disso veio junto também toda a repercussão na mídia, nas revistas de cinema, de moda e nos ensaios de publicidade. Marilyn, no fundo apenas uma jovem garota que mal conseguia organizar os aspectos mais simples de sua vida, tinha agora que se manter na linha, comparecer a todos os eventos, sempre surgindo com a melhor imagem possível. Por essa época a Fox incentivava seus astros a se consultarem regularmente com o departamento médico da empresa. O objetivo não era apenas ajudar seu elenco, mas principalmente ficar de olho se todos estavam bem tanto do ponto de vista médico como psicológico.

Nem é preciso ser expert na história de Marilyn para entender que ela deixava muito a desejar nesse último aspecto. Com um histórico de vida muito complicado a atriz vivia em um fio de navalha, tentando se mostrar segura, firme e de bem com a vida em público, enquanto que na vida pessoal as coisas pareciam desmoronar rapidamente. Marilyn tinha um segredo: ela estava se viciando em bolinhas, como eram chamadas as pílulas em Los Angeles durante os anos 50. Para se manter magra, esbelta e atenta com tudo o que acontecia ao redor, Marilyn começou a usar uma enorme série de inibidores de apetite, de estimulantes e soníferos. Era uma roleta russa. Para ficar bonita Marilyn tomava os inibidores. Para ficar sóbria e atenta nos sets de filmagens usava estimulantes e para conseguir dormir depois muitos soníferos. Sua figurinista na Fox sempre ficava surpresa quando Marilyn surgia no estúdio com um saco cheio de comprimidos, de todas as cores e tamanhos.

Esse uso indiscriminado de drogas muitas vezes trazia problemas para a atriz. Ao misturar todos eles com champagne, que Marilyn tomava durante as festas, era criada uma reação que ora a deixava completamente nauseada, ora totalmente bêbada. E quando Marilyn ficava de pileque ela costumava dar vexames em público, ficando super agitada, dando gritinhos e saindo seduzindo despudoradamente todos que encontrava no meio do salão, até mesmo dando em cima de homens casados na frente de suas próprias esposas. Era uma situação delicada. Numa dessas festas aconteceu uma saia justa. Marilyn esbarrou na cantora Billie Holiday. A atriz era grande fã daquela voz e estilo únicos e quis lhe conhecer, mas Billie Holiday a esnobou e o pior, foi extremamente grosseira, chegando ao ponto de lhe chamar de "puta"!

A Fox também logo entendeu que Marilyn não podia ficar muito tempo sem trabalhar pois ela, mais cedo ou mais tarde, se envolveria em confusões na sua vida pessoal. Assim o estúdio a escalou para filmar a comédia musical "Como Agarrar um Milionário". O filme seria dirigido por Jean Negulesco e contaria o divertido enredo envolvendo três mulheres  interesseiras em busca de maridos ricos. Marilyn dividiria o estrelato com duas outras famosas atrizes: Betty Grable e Lauren Bacall! Eram veteranas, profissionais e muito queridas em Hollywood. Perto delas Marilyn era apenas uma novata de sorte. Será que juntar três estrelas desse naipe em um só filme daria realmente certo? Só o tempo responderia a essa pergunta...

Pablo Aluísio.

4 comentários:

  1. A Billie Holiday chamando a Marilyn de puta. Ás pessoas são engraçadas: uma sujeitinha que nos Estados Unidos da época não poderia nem tomar água nos bebedouros públicos dos brancos, dando uma de puritana só porque graças ao talendo que Deus lhe deu ultrapassou as barreiras raciais. Bem disse o escravo Tobias, em Escrava Isaura; "a escravidão não se divide entre pretos e brancos, mas sim entre ricos e pobres". No caso da besta da Billie Holiday, entre famosos veteranos e famosos novatos. Triste o ser humano.

    ResponderExcluir
  2. Marilyn sofreu bastante com esse tipo de preconceito, muitas vezes vindo das próprias mulheres. Um garotinho que contracenou com ela em um de seus filmes certa vez lhe confidenciou - na inocência de sua idade - que sua mãe teria dito a ele para não se tornar muito amiga dela, porque era uma mulher de "hábitos morais duvidosos". Nos anos 1950 e 60 havia muito disso por causa da forte moralidade que imperava na época.

    ResponderExcluir
  3. Por isso que esse preconceito vindo da Billie Holiday é mais surpreendente.

    ResponderExcluir
  4. Cinema Clássico - Pablo Aluísio
    As Vidas de Marilyn Monroe
    Todos os direitos reservados.

    ResponderExcluir