sexta-feira, 10 de abril de 2015

James Dean - Os Primeiros Dias em Hollywood - Parte 7

Assim que Dean se tornou um nome quente em Hollywood, ele começou a ter mais e mais problemas com os executivos da Warner Bros. Isso porque o estúdio estava acostumado a exercer grande controle sobre seus astros, determinando tudo em suas vidas, algo que James Dean simplesmente não aceitava. Para ele aquilo era apenas um trabalho e não uma escravidão, ninguém tinha o direito de dizer o que ele faria em sua vida particular. Afinal de contas ele era um rebelde e se recusava a se tornar um marionete nas mãos de Jack Warner ou quem quer que fosse. Depois que "Juventude Transviada" foi finalizado, Dean se mandou rumo a uma corrida amadora em Salinas. Ele comprou um carro novo, ideal para corridas de alta velocidade, e se inscreveu no maior número de competições possíveis.

Embora fosse legal a oportunidade de praticar um esporte, a Warner entendeu que Dean mais cedo ou mais tarde se espatifaria numa corrida dessas. A Warner enviou um agente para acompanhar uma desses Grand Prix e ele informou ao estúdio que Dean dirigia mal, era míope e imprudente nas pistas. Era a mais pura verdade. A simples menção de que Dean participaria de uma prova já deixava os outros pilotos preocupados e apreensivos. O ator não estava interessado em dirigir prudentemente, pois ele geralmente fazia ultrapassagens perigosas, manobras arriscadas e posicionamentos suicidas. Isso levou Dean a ter vários desafetos nessas competições. Certa vez um piloto foi colocado fora da pista pelas maluquices de Dean. Quando a corrida acabou ele foi tomar satisfações e ambos saíram no soco, ali, bem na frente do público. Dean tirou seu capacete e foi pra cima do outro sujeito. A pancadaria que se seguiu foi generalizada e Dean acabou sendo banido daquela corrida para sempre.

Outro problema detectado pela Warner foi na própria vida pessoal do ator. Ele gostava de variar, se encontrado com homens, depois com mulheres e depois voltando a sair com homens novamente. A um amigo pessoal Dean confessou: "Ser bi aumenta em duas vezes a chance de você conhecer alguém interessante. Não estou preocupado em valores ultrapassados". Para piorar James Dean encontrou uma turma que gostava de misturar sexo com dor. Eram masoquistas. James Dean, no fundo um garoto caipira de Indiana, achou que aquilo era o máximo da libertinagem. Obviamente se sentiu atraído pelas essas práticas exóticas no mesmo momento. Não tardou e ele começou a se entrosar com aquela estranha turma, se tornando popularmente conhecido entre eles como "James Dean, o cinzeiro humano" pois curtia que cigarros acessos fossem apagados em seu peito durante o ato sexual. Os executivos ficaram bem preocupados com a vida libertina de seu jovem (e valioso) contratado. Algumas medidas foram tomadas para esconder isso da imprensa. Dizem que até jornalistas foram comprados para não escreverem sobre isso em suas publicações sensacionalistas. Dean porém deu de ombros e continuou com suas práticas sexuais bizarras. Segundo algumas biografias ele teria inclusive participado de uma orgia sadomasoquista na noite anterior ao dia de sua morte, naquele acidente terrível.

Para acalmar um pouco os ânimos Dean resolveu sair com algumas atrizes, para diminuir um pouco as fofocas de que era gay! A escolhida foi Ursula Andress, a bonita loira nascida na Suíça, que vinha fazendo grande sucesso em Hollywood. Os dois saíram muitas vezes juntos e foram vistos em várias festas da indústria, mas Dean nunca chegou a se acertar completamente com ela. Anos depois Ursula contaria sobre o suposto romance: "Era estranho. Dean me ligava e dizia que iria sair comigo. Não perguntava se eu queria sair com ele! Eu estava interessada nele, é claro, mas desde o começo ele me pareceu meio estranho. Tinha hábitos fora do comum, como não ter educação e se comportar de forma selvagem em ambientes chiques. Uma vez tirou a camisa numa festa onde o traje era a rigor. Noutra mandou os convidados se calarem pois queria ouvir os ruídos da noite! Nunca nos assumimos como namorados e ele não parecia se importar com o que eu sentia. Ele tinha um senso de humor meio doentio e a gente se provocava. Uma vez me confessou que gostaria de levar para cama qualquer pessoa que achasse atraente, mesmo que não fosse uma mulher! Um dia ele simplesmente sumiu e não deu mais notícias e assim nosso suposto romance chegou ao fim. Foi o relacionamento mais esquisito que tive em minha vida".

A verdade é que James Dean não estava interessado em assumir romances com atrizes de Hollywood. Na verdade ele não tinha muito respeito por elas. Criado no meio teatral em Nova Iorque, onde atrizes talentosas ganhavam a vida nos palcos da cidade, ele considerava as atrizes de Los Angeles meros enfeites de beleza. Dean também desprezava as garotas que iam para a cama com os produtores para ganhar personagens em filmes importantes. Uma vez disparou para uma das atrizes coadjuvantes de um de seus filmes: "Quantos pirulitos você teve que chupar para estar aqui nessa cena?" Ele costumava dizer que as únicas atrizes que realmente respeitava era as de Nova Iorque, da costa leste. Essas eram realmente lutadoras. As starlets de estúdios de Hollywood eram, em sua opinião, na maioria das vezes apenas "putas bonitas sem caráter". Curiosamente Dean assinaria em breve sua participação em mais um grande filme Hollywoodiano  chamado "Assim Caminha a Humanidade" onde teria que contracenar com um dos maiores símbolos de estrelismo da indústria do cinema, Elizabeth Taylor. Será que ele se daria bem com uma estrela daquela envergadura, uma atriz que nunca havia pisado em um palco de teatro na vida? Que conquistara seus papéis no cinema apenas por sua beleza extrema? Só o tempo poderia trazer as respostas...

Pablo Aluísio.

2 comentários:

  1. James Dean - Os Primeiros Dias em Hollywood - Parte 7 de 10.

    ResponderExcluir
  2. Cinema Clássico - Pablo Aluísio
    Os Primeiros Dias em Hollywood
    Todos os direitos reservados.

    ResponderExcluir