segunda-feira, 15 de junho de 2015

Christopher Lee

Christopher Lee
Nascido em berço de ouro no bairro de Belgravia, em Londres no dia 27 de maio de 1922, como Christopher Frank Carandini Lee, Christopher Lee, ou melhor, "Sir" Christopher Lee (título que lhe foi conferido em 2009 pelo conjunto de sua brilhante obra), era filho de um tenente coronel da Guarda Real britânica e da condessa Estelle Mari Carandini di Sarzano. Passou a infância na Suíça, após o divorcio de seus pais. De volta a Londres, sua mãe se casou com o banqueiro Harcourt Ingle Rose, tio de outro mito do século XX, o escritor Ian Fleming, criador de James Bond. Iniciou sua carreira artística exatamente onde são forjados todos os grandes atores ingleses: No teatro. Mas antes de brilhar nos palcos e nos cinemas, Lee voluntariou-se para servir ao exército finlandês na Segunda Guerra Mundial, em 1939, durante 5 anos. "Aquilo sim foi horror e sangue de verdade. Quando a Segunda Guerra terminou eu tinha 23 anos e já tinha visto, em 1939, quando tinha apenas 17, desgraça suficiente para o resto da minha vida. Vi coisas terríveis, pavorosas, sem dizer uma palavra sequer. Portanto, ver terror e sangue em set de filmagem não me afeta muito". Disse, sobre gênero que o tornou mítico.

Lee costumava dizer a todos, que assistira pessoalmente à última execução pública na França em 1939. Em 1958, aos 36 anos, Lee assinou com a produtora inglesa Hammer Film Productions para interpretar uma série de filmes sobre Drácula. Foram 11 filmes no total sobre o demoníaco príncipe da Transilvânia. Dono de uma voz poderosa e cavernosa, além de um incrível carisma e presença física, Cristopher Lee alcançou sucesso imediato e mundial na pele de um Drácula charmoso, janota e sensual. Em 1969 o famoso diretor Billy Wilder fez-lhe um convite pessoal para que Lee desse uma folga para o vampiro e fosse para Hollywood interpretar Mycroft Holmes - irmão do famoso detetive Sherlock Holmes - no ótimo longa  "A Vida Íntima de Sherlock Holmes", lançado em 1970 e com direção do próprio Wilder.  Em 1974 consolidou-se de forma definitiva como vilão quando encarnou o bandidão, Francisco Scaramanga, em "007 Contra o Homem da Pistola de Ouro", com Roger Moore em seu segundo papel como James Bond. Scaramanga ainda é um dos maiores rivais da saga do agente 007. Em 2001 volta a brilhar na fantástica trilogia "O Senhor dos Anéis" na pele do poderoso Saruman, líder dos magos Istari. Em 2002, vive Count Dooku, numa das franquias mais famosas do cinema: "Star Wars: Episódio 2 - Ataque dos Clones". Papel que Lee voltaria a encarnar em 2005, já com 83 anos, em "Star Wars: Episódio 3 - A Vingança dos Sith".

Pouco antes de morrer, Lee declarou numa entrevista: - "Toda uma nova carreira se iniciou quando entrei para O Senhor dos Anéis e Star Wars -". Como um legítimo inglês, Christopher Lee era amante de rock, mais especificamente do gênero heavy metal. Em dezembro de 2013, transformou-se no intérprete mais idoso com uma canção nas paradas de sucessos norte-americana da Billboard com Jingle Hell, faixa presente no single "A Heavy Metal Christmas Too". E em 2014 comemorou seu 92º aniversário com o lançamento de um álbum de heavy metal, intitulado “Metal Knight”. O disco foi seu terceiro trabalho musical solo, todos voltados ao universo do rock.

O personagem que mais encantava Christopher Lee era o anti herói espanhol Dom Quixote. Numa entrevista em 2009, Lee, disse: “O público espanhol poderia me aceitar nesse personagem? É um sonho, e infelizmente estou ultrapassando um pouco a sua idade. Mas tenho sua cara e entendo perfeitamente o seu comportamento. Um homem com grande força, que trata cada mulher como se fosse uma princesa. Uma história maravilhosa”. E afirmava: “Vivo no presente, não no passado. Não estou preso em casa recordando minhas décadas de trabalho. Digo sempre aos atores jovens: ‘Façam o melhor que puderem’. É melhor ser profissional que ter talento".

Segundo nota da edição do dia 11 de junho de 2015, da publicação britânica "Telegraph", Lee faleceu no hospital Chelsea e Westminster, em Londres, onde estava internado em decorrência de problemas respiratórios. O anúncio da morte do artista demorou a sair porque a mulher dele, a ex-atriz e modelo Gitte Lee, decidiu esperar até que todos os parentes próximos fossem avisados. O casal ficou junto por mais de 50 anos e teve uma filha, Christina Erika Lee, de 53 anos.

Que Deus ilumine sua alma e obrigado por tudo, Christopher Lee. Descanse em paz...

Telmo Vilela Jr.

Um comentário:

  1. Cinema Clássico - Pablo Aluísio
    Christopher Lee
    Todos os direitos reservados.

    ResponderExcluir