segunda-feira, 7 de setembro de 2015

As vidas de Marilyn Monroe - Parte 5

O casamento de Marilyn Monroe com o astro do esporte americano Joe DiMaggio estava fadado ao fracasso desde o começo. Eles se conheceram por acaso quando Marilyn foi contratada para fazer uma peça publicitária em um campo de beisebol. Embora Joe fosse nacionalmente conhecido pelos fãs do esporte mais popular da América, Marilyn não tinha a menor ideia de quem ele era e por isso não lhe deu muita bola quando apertaram as mãos pela primeira vez. O primeiro encontro, como se pode perceber, não causou qualquer efeito sobre ela, mas DiMaggio ficou perdidamente apaixonado por ela, um caso típico de amor à primeira vista. Ele tinha que ver aquela garota novamente. Isso porém iria demorar um pouco pois Marilyn tinha outros interesses. Ela na verdade tinha que se desdobrar com os inúmeros amantes ocasionais, namorados fugazes e flertes casuais que cultivava por onde andava. Seu empresário porém alertou para Marilyn que um romance com Joe DiMaggio iria trazer boa publicidade para sua carreira nos jornais e assim ela resolveu dar uma chance a ele, um encontro foi marcado e o casal saiu para jantar junto em uma cantina tipicamente italiana.

Marilyn porém não continuou impressionada por ele. Na verdade o esportista tinha pouco a trazer para Marilyn, além da já mencionada publicidade na imprensa. Ele não era particularmente culto e nem estava interessado nas mesmas coisas que a atriz. Não era conhecedor do mundo do cinema e nem tampouco tinha interesse em qualquer tipo de arte (no máximo era um fã de faroestes, mas nada muito além disso). Meio a contragosto ela levou o breve namorico em frente, tudo meio ao estilo "chove não molha". Ao mesmo tempo que saía com DiMaggio, Marilyn continuava a manter seus outros namorados. O que fez Marilyn mudar seu modo de agir com o jogador aposentado foi sua extrema dedicação a ela. Não importava o que precisasse, sempre que Marilyn precisava de uma ajuda ela pedia a Joe que lhe ajudasse. E ele jamais vacilava quando era chamado. Assim foi nascendo uma cumplicidade que jamais acabou, mesmo quando se separaram alguns anos depois. De fato Joe era extremamente devotado a ela, muitas vezes abrindo mão de sua própria vida para ir ao socorro de Marilyn, em qualquer situação e em qualquer lugar que sua ajuda fosse necessária (não raro viajava para lugares distantes onde Marilyn filmava, apenas para ficar ao lado dela).

Outro fato que serviu para aproximá-los foi a forte ligação familiar que Joe mantinha com seus parentes. Marilyn, que foi uma garotinha órfã, que não tinha tido muitos laços fraternais e familiares ao longo da vida, valorizava muito esse tipo de coisa. Quando o irmão de Joe foi assassinado numa praia deserta, Marilyn ficou bastante comovida com os sentimentos que Joe demonstrou na ocasião. Marilyn ficou particularmente impressionada com tudo o que viu em seu funeral, com todos os membros da família de Di Maggio reunidos, a missa de corpo presente e tudo mais. Era aquele tipo de aproximação que ela almejava um dia. Embora não fosse apaixonada por Joe ela percebeu que ele poderia ser um bom pai de família. Ora, seu sonho sempre foi ter uma bela família no futuro e Joe parecia ser o homem ideal para isso.

Mas havia dois problemas para a realização de seus sonhos. O primeiro era que, como iria descobrir com os anos, Marilyn jamais poderia ter filhos. Na juventude ela realizou um aborto que foi muito complicado em termos médicos. Após o procedimento realizado ela ficou impossibilitada de um dia vir a se tornar mãe. Embora tenha ficado grávida algumas vezes, nada seguiu em frente. Invariavelmente Marilyn acabava perdendo seus filhos por causa de uma sucessão de gravidezes mal sucedidas e dolorosas, tanto do ponto de vista físico como emocional. O outro problema insuperável para ter um relacionamento feliz com Di Maggio vinha da própria personalidade dele. Joe era da velha escola, um sujeito machista, que desejava que Marilyn abandonasse a profissão para ser apenas dona de casa. Verdade seja dita, durante um pequeno período de sua vida Marilyn até tentou... mas era impossível trocar Hollywood pela cozinha da casa do marido. Não havia possibilidade. A vida, para Marilyn, era algo mais, uma oportunidade única de tornar sonhos em realidade. Passar o dia inteiro enfurnada na cozinha fazendo bolos e doces para o maridão era algo impensável para ela, algo simplesmente insuportável. Assim, como era de se esperar, o casamento de Marilyn logo chegou ao fim. Eram pessoas diferentes demais para uma união assim dar certo por muito tempo.

Pablo Aluísio.

Um comentário: