segunda-feira, 16 de maio de 2016

Resgate de uma Consciência

Título no Brasil: Resgate de uma Consciência
Título Original: All My Sons
Ano de Produção: 1948
País: Estados Unidos
Estúdio: Universal Pictures
Direção: Irving Reis 
Roteiro: Chester Erskine, baseado na obra de Arthur Miller
Elenco: Edward G. Robinson, Burt Lancaster, Mady Christians
  
Sinopse:
Joe Keller (Edward G. Robinson) é um pequeno industrial que consegue escapar de uma acusação criminal por parte do governo americano. Ele foi acusado de ter vendido peças defeituosas para as forças armadas durante a II Guerra Mundial. Por causa desses cilindros com problemas de fabricação usados em aviões de combate vários militares morreram durante uma operação. Joe porém conseguiu provar que não teve culpa. Já seu sócio não teve muita sorte e foi condenado. Sua vida aos poucos vai voltando ao normal até que seu filho Chris Keller (Burt Lancaster) lhe comunica que vai casar com a namorada de seu irmão, desaparecido durante a Guerra. Pior do que isso, ela também é filha do sócio de Joe que está preso em seu lugar. Vários conflitos familiares começam a vir à tona justamente por causa desse relacionamento. Filme indicado no Writers Guild of America na categoria de Melhor Roteiro (Chester Erskine).

Comentários:
O roteiro desse filme foi adaptado de uma peça teatral escrita por Arthur Miller, escritor e intelectual que se casaria com a atriz Marilyn Monroe dentro de alguns anos. O tema central desse enredo é a culpa. O relacionamento entre pai e filho entra em colapso quando esse último descobre que seu pai Joe foi o responsável direto pela morte de militares americanos na II Guerra. Ele vendeu cilindros de aviação com defeitos de fabricação. Pior do que isso, ele sabia de tudo. Para não perder dinheiro resolveu enviar o material defeituoso mesmo assim. Depois que tudo foi descoberto acabou denunciado na justiça. Com muita habilidade e bons advogados conseguiu que apenas seu sócio fosse considerado condenado, embora todos soubessem que ele foi o verdadeiro culpado pela morte daqueles homens. Tudo estaria superado após ele conseguir escapar da prisão nos tribunais, mas o passado acaba voltando na figura de Ann Deever (Louisa Horton). Ela foi namorada do irmão de Chris (Lancaster), desaparecido em combate. Pior, ela é também filha do homem que foi condenado no lugar de Joe (Robinson). Como resolver e superar essa delicada questão familiar? Esse filme é um excelente drama de conflitos que podem surgir dentro de uma família. O filho admira seu pai, mas depois tudo é destruído ao descobrir que ele seria um criminoso, um covarde e um hipócrita. Um papel tão complexo assim caiu como uma luva para o grande Edward G. Robinson. Ele interpreta esse patriarca, um homem que lutou para que nada faltasse para sua família, mesmo que para isso tenha ultrapassado vários limites morais, éticos e legais. É interessante que Edward G. Robinson aparenta ser um tipo "paizão", boa praça, amigo de todos no filme. Isso na fachada externa. Por baixo de tudo isso existe um homem que tomou uma decisão errada, mesmo sabendo que colocaria em risco a vida de homens inocentes. Burt Lancaster, como seu filho, ainda era bem jovem. Ele está mais contido do que o normal, talvez por falta de uma experiência maior, mesmo assim se sai muito bem nos momentos mais dramáticos ao lado de Robinson, um veterano que sabia tudo da arte de atuar. Contando com Elia Kazan em sua equipe técnica (ele fez parte da produção do filme), esse "All My Sons" tem um excelente elenco, atuações inspiradas e um roteiro com muito conteúdo ético e até mesmo filosófico. Uma pequena obra prima sobre as escolhas que não devemos tomar ao longo de nossas vidas.

Pablo Aluísio.

3 comentários:

  1. Avaliação:
    Direção: ★★★★
    Elenco: ★★★★
    Produção: ★★★
    Roteiro: ★★★★
    Cotação Geral: ★★★★
    Nota Geral: 8.1

    Cotações:
    ★★★★★ Excelente
    ★★★★ Muito Bom
    ★★★ Bom
    ★★ Regular
    ★ Ruim

    ResponderExcluir
  2. Ótimo texto,Pablo. Ainda não assisti, mas pela sinopse, elenco, e uma ótima resenha assinada por você, vou correr atrás o mais rápido possível. É bom lembrar que varios desses filmes produzidos imediatamente ao fim do conflito, sempre traziam em seu enredo histórias ligadas de alguma forma à Segunda Guerra.

    ResponderExcluir
  3. Obrigado Telmo. O grande destaque aqui é o texto original escrito por Arthur Miller. A paternidade colocada na berlinda. Muito bom, recomendo.

    ResponderExcluir