quarta-feira, 29 de junho de 2016

Dean...

Esse filme "Life" que assisti recentemente me fez pensar como o mundo da arte tangencia a imortalidade. Pense um pouco. James Dean morreu há tanto tempo que fica até mesmo complicado entender porque as pessoas ainda se lembram dele, de que algum dia ele veio a existir... A resposta para esse tipo de pergunta é muito simples: a arte imortalizou James Dean assim como imortalizou Elvis, Lennon, Marilyn e tantos outros. Só a arte tem essa capacidade de eternizar a imagem de um artista. Tudo o mais é corroído pelas areias do tempo.

E o mais interessante de tudo é que o foco do filme não se resume a explorar o James Dean das telas, mas também o ator que ficou imortalizado em uma série de fotos que foram produzidas até sem pretensão, mas que hoje em dia valem uma verdadeira fortuna (obviamente estou me referindo não apenas aos originais como também aos licenciamentos de seu uso em produtos em geral como camisas, revistas, etc). E pensar que o fotógrafo Dennis Stock só estava interessado mesmo em quem sabe a Life se interessar por seu trabalho para ganhar uns trocados. Desempregado, pai de família, a vida não andava nada fácil para ele. Hoje seus herdeiros vão muito bem, obrigado, graças às fotos que tirou de James Dean.

Nos Estados Unidos o espólio de Dean fatura cerca de 6 a 8 milhões de dólares ao ano. Claro que essa grana toda não vem da venda de seus filmes, embora pequena parte provenha realmente disso. O grosso do dinheiro vem porém principalmente do uso de sua imagem em licenciamentos. Tal como Marilyn Monroe, Dean também virou uma espécie de símbolo, de imagem máxima de um determinado comportamento - que no caso dele é a do jovem rebelde sem causa. Como morreu aos 24 ele também será eternamente jovem, pelo menos nas estampas de cadernos, camisas e peças de roupas. Por falar em roupas outro fato que contribui muito para que Dean continue sendo uma máquina de faturar milhões vem do fato dele ser sempre usado em peças publicitárias do mundo da moda, o que não deixa de ser uma ironia pois Dean sempre fora criticado em vida justamente por se vestir de forma desleixada.

Em sua rotina Dean usava um jeans surrado (a calça de todo trabalhador da América) e camisas brancas, bem básicas. Esse aliás acabou virando o uniforme de praticamente todo o rebelde dos anos 50. E havia também o topete, esse imortal. O próprio Elvis se inspirou nele para também usar um dos penteados mais duradouros do século XX. E o curioso de tudo é que Dean já demonstrava que ficaria careca com os anos já que tinham grandes entradas em seu cabelo. Claro que isso nunca aconteceu pois ele morreu jovem e para os que partem cedo sempre fica a eternidade da beleza jovial, preservada para todo o sempre.

Pablo Aluísio.

4 comentários:

  1. Cinema Clássico - Pablo Aluísio
    Dean...
    Todos os direitos reservados.

    ResponderExcluir
  2. Um sujeito que consegue fazer o Elvis imita-lo, sendo o Elvis uma das personalidades mais originais do mundo, não é pouca coisa. Por isso não é esquecido; é muito carisma.

    ResponderExcluir
  3. É verdade. Vale também a citação sobre Tony Curtis. Quando Elvis começou a usar topete ele o fez pensando em James Dean e Tony Curtis, conforme ele mesmo explicou em uma entrevista.

    ResponderExcluir
  4. O Elvis realmente sofria de uma grande baixa estima no que tange a aparência, pois assim como a Priscila escreve no seu livro Elvis and Me, quando o Elvis chegava em casa, ainda maquiado como um árabe da locação de um dos seu filmes, dizia a ela se ela via como como ele se parecia com o Rodolfo Valentino e a Priscila diz que apenas pensava que o Elvis era mil vezes mais bonito que o Valentino, assim é com o Tony Curtis que perto do Elvis mal chegava a ser um rascunho de beleza, e em tamanho reduzido.

    ResponderExcluir