quinta-feira, 8 de setembro de 2016

A Fantástica Fábrica de Chocolate

Título no Brasil: A Fantástica Fábrica de Chocolate
Título Original: Willy Wonka & the Chocolate Factory
Ano de Produção: 1971
País: Estados Unidos
Estúdio: Warner Bros
Direção: Mel Stuart
Roteiro: Roald Dahl
Elenco: Gene Wilder, Jack Albertson, Peter Ostrum, Roy Kinnear, Julie Dawn Cole, Denise Nickerson
  
Sinopse:
O misterioso e recluso Willy Wonka (Wilder), o dono da maior fábrica de chocolate do país, resolve fazer uma promoção especial. Ele coloca vários convites em suas barras de chocolate. Aqueles que os encontrarem farão uma visita em sua fábrica, um lugar mágico, com rios de chocolate e florestas de doces. É o sonho de cada criança. Assim que chegam no mercado os chocolates são disputados por todas as crianças do país. O pobre garoto Charlie (Peter Ostrum) só tem dinheiro para comprar uma única barra... Seu sonho é visitar a fábrica de Wonka ao lado de seu avô. Para sua surpresa ela acaba descobrindo a força dos sonhos de cada um. Filme indicado ao Oscar na categoria de Melhor Trilha Sonora adaptada e música. Também indicado ao Globo de Ouro na categoria de Melhor Ator - Comédia ou Musical (Gene Wilder). 

Comentários:
Esqueça a esquizofrênica e chata versão de Tim Burton. Em termos de "A Fantástica Fábrica de Chocolate" o melhor filme é justamente esse, o clássico da década de 1970. É a tal coisa, se você foi jovem ou adolescente nos anos 70 ou 80 certamente assistiu a alguma das inúmeras reprises desse filme na Sessão da Tarde. O filme foi um dos campeões de exibição naquela época. Isso acabou criando uma geração de fãs da fábula de Willy Wonka e do pobre garoto Charlie. Para realizar a produção o estúdio Warner recriou a fábrica, com bem elaborados cenários. O roteiro mostrava um bando de garotos que eram recebidos por Wonka em sua fábrica para o que supostamente seria um passeio pelas instalações. No fundo o industrial estava mesmo procurando por um sucessor pois já estava ficando velho e não tinha a quem deixar toda aquela sua fortuna. O interessante da estória criada por Roald Dahl em seu livro infantil (o autor iria também escrever o roteiro do filme) era que ele trazia uma sutil crítica à revolução industrial, mostrando de um lado o rico Wonka e do outro a miséria absoluta da família de Charlie, com todos vivendo em um pequeno quartinho escuro e úmido na periferia da cidade. No mais o filme se destacava mesmo pelas cores, pela imaginação sem freios e é claro pela direção de arte (que injustamente não foi indicada ao Oscar). Ao invés disso o lado musical do filme foi lembrado pela academia, inclusive com as boas interpretações de Wilder, cantando belas canções como "Pure Imagination". Com experiência nos palcos da Broadway em Nova Iorque ele não fez feio soltando sua voz. Enfim, "Willy Wonka & the Chocolate Factory" é sem dúvida uma das fábulas cinematográficas mais ternas, belas e nostálgicas do cinema americano dos anos 70. No meio de um realismo que invadia todos os filmes da época, esse aqui resolveu apostar na fantasia e na imaginação, colhendo ótimos frutos com essa opção.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

3 comentários:

  1. Avaliação:
    Direção: ★★★★
    Elenco: ★★★★
    Produção: ★★★★
    Roteiro: ★★★
    Cotação Geral: ★★★★
    Nota Geral: 8.3

    Cotações:
    ★★★★★ Excelente
    ★★★★ Muito Bom
    ★★★ Bom
    ★★ Regular
    ★ Ruim

    ResponderExcluir
  2. Essa versão é tão boa que quando assisti ainda criança eu achava aconchegante a casa do Charlie com todos os avos, pai e mãe vivendo com ele, não achava desagradável; coisa de criança.

    O Wonka do Tim Burton é o Sweeney Todd. Deus me livre!

    ResponderExcluir
  3. Com os olhos de uma criança realmente se vê outra coisa naquela cena. O autor porém queria mostrar a extrema pobreza em que vivia os mais pobres de uma Londres cheia de fábricas e indústrias.

    E sobre o Wonka do Tim Burton: aquele filme é horrível mesmo! Outro dia vi um pequeno trecho na TV a cabo e mudei de canal rapidamente. Um lixo completo.

    ResponderExcluir