quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

Sangue de Bárbaros

O filme "Sangue de Bárbaros" ficou notório por vários motivos. Um deles e o mais visível é que John Wayne ficou realmente ridículo com maquiagem de Gengis Khan. Essa foi uma das escolhas mais infelizes em termos de elenco na história de Hollywood. Simplesmente puxaram os olhos do ator para trás, para que ele parecesse um oriental. Nada convincente. Imaginar aquele grande cowboy americano como um bárbaro mongol era exigir demais do público.

Outro erro - e esse foi fatal - foi a escolha do lugar das filmagens. Escolheram um lugar em Utah, no meio do deserto, para parecer com as longas planícies da Mongólia onde o verdadeiro Gengis Khan viveu. O problema número 1 é que o lugar não se parecia em nada com as vastas terras do império Mongol e o problema número 2 é que o governo americano havia feito testes nucleares na região. Estava tudo contaminado com radiação.

A maioria dos membros do elenco e da equipe técnica morreriam de câncer com o passar dos anos. Até hoje muitos autores e biógrafos defendem que todos eles morreram por causa da radiação a que foram expostos. Nas cenas em que os cavaleiros de Khan descem as montanhas podemos perceber bem toda aquela poeira vermelha (e radioativa) se espalhando pelo ar. Uma tragédia. E nem se o filme fosse bom isso seria justificável. O pior é que ao assistir a "Sangue de Bárbaros" percebemos logo que não se trata de um bom filme, muito pelo contrário.

O roteiro se propõe a ser uma reconstituição dos primeiros anos de Gengis Khan. Ainda um jovem líder mongol que começa a fazer alianças com tribos diversas para a formação de um grande exército. Para filmar um épico dessa magnitude o produtor Hall Wallis deveria ter disponibilizado um grande orçamento, mas não foi isso que aconteceu. As cenas de batalha, por exemplo, são pífias e em certo sentido até medíocres. Como se não bastasse a péssima caracterização envolvendo John Wayne ainda havia o problema do suposto romance de seu personagem com a de Susan Hayward. Ele a rapta, mata seu esposo e depois leva com brutalidade para suas terras. Que mulher em sã consciência iria se apaixonar por um criminoso desses? Pois os roteiristas inventaram um amor inverossímil que brota sem mais nem menos. Lamentável. Enfim, essa é uma produção que foi infeliz em vários aspectos, tanto do ponto de vista da contaminação radioativa como também pela má qualidade artística de seus resultados.

Sangue de Bárbaros (The Conqueror, Estados Unidos, 1956) Direção: Dick Powell / Roteiro: Oscar Millard / Elenco: John Wayne, Susan Hayward, Pedro Armendáriz, Lee Van Cleef, William Conrad / Sinopse: O filme narra a história de Gengis Khan (John Wayne) em seus primeiros anos de conquista. Ao se aliar a antigos rivais ele acaba criando o maior exército de todos os tempos.

Pablo Aluísio. 



Um comentário:

  1. Avaliação:
    Direção: ★★
    Elenco: ★★
    Produção: ★★
    Roteiro: ★
    Cotação Geral: ★★
    Nota Geral: 5.5

    Cotações:
    ★★★★★ Excelente
    ★★★★ Muito Bom
    ★★★ Bom
    ★★ Regular
    ★ Ruim

    ResponderExcluir