segunda-feira, 15 de maio de 2017

Paul Newman e o seu Tempo - Parte 1

Quando Paul Newman surgiu no mundo do cinema muitos o compararam com James Dean, o ídolo rebelde. Afinal eles tiveram praticamente as mesmas origens, estudaram nas mesmas escolas, moraram nos mesmos lugares e até mesmo se conheceram pessoalmente, se tornando amigos. Dean gostava de Newman e acreditava que ele um dia iria se tornar um astro. Estava mais do que certo. Havia um espírito de camaradagem e amizade entre eles porque afinal de contas ambos eram ex-alunos da principal escola de arte dramática de Nova Iorque: o Actors Studio. 

Fundado por Elia Kazan, essa pequena escola fincada no 44th Street do bairro de Hell's Kitchen, formou uma geração de grandes atores como Marlon Brando, Al Pacino e os próprios James Dean e Paul Newman. Kazan queria que a arte dramática atingisse um novo patamar de excelência, tanto nos palcos como nas telas de cinemas. Paul Newman acreditava nesse ideal e seus primeiros trabalhos nos palcos de Nova Iorque foram maravilhosos. Ele surpreendeu a crítica não apenas por causa de seu ótimo visual, mas também pelo talento que demonstrava ao interpretar seus personagens. 

Como Paul Newman estava se destacando nas peças teatrais e também em aparições na TV americana, onde interpretava personagens épicos em grandes adaptações de autores consagrados para o mundo da televisão, ele logo chamou a atenção dos grandes estúdios de Hollywood. Era o mais forte candidato a substituir James Dean. Claro que o tempo iria demonstrar que Paul Newman não era apenas o sucessor de Dean. Ele era um artista completo, com suas próprias peculiaridades, qualidades e personalidade. E Newman também não queria ser visto apenas como uma espécie de herdeiro de James Dean. Isso o limitaria demais como ator. Ele obviamente queria ter o seu próprio espaço. 

A estreia de Newman em Hollywood porém foi bem decepcionante. Sem ter experiência, ele sucumbiu aos interesses dos executivos da Warner Bros. Ele imediatamente foi escalado para atuar na produção "O Cálice Sagrado", filme dirigido pelo cineasta Victor Saville. Era um épico sobre as origens do cristianismo. Um filme de época, que para falar a verdade não era o mais adequado para Newman naquele momento de começo em sua carreira no cinema. O roteiro tinha problemas, sendo reescrito a todo tempo, enquanto se filmava às pressas. A direção de arte também era bem estranha, com cenários e ambientação fugindo demais do que era esperado de um filme como aquele. O clima de tensão e stress não ajudou em nada e anos depois o próprio Paul Newman reconheceu que sua atuação havia deixado muito a desejar. Logo ele, que tanto primava por atuar bem. Quando o filme surgiu nas telas, Newman decidiu fazer algo inédito na história de Hollywood, publicando uma carta nos jornais pedindo desculpas por sua fraca atuação. Ele prometia melhorar nos próximos filmes em que iria atuar. 

Pablo Aluísio.

3 comentários:

  1. Cinema Clássico - Pablo Aluísio
    Paul Newman e o seu Tempo - Parte 1
    Todos os direitos reservados.

    ResponderExcluir
  2. O estranho é que , apresar do grande talento, beleza e extensa filmografia, o Paul Newman jamais seria visto como um gênio da interpretação como aconteceu com o James Dean com apenas três filmes.

    ResponderExcluir
  3. É o fato morte.

    James Dean morreu jovem e foi sepultado em sua fama.

    Virou mito.

    Já o Paul Newman não, envelheceu, viveu muito.

    Não combina muito com os mitos que conhecemos.

    ResponderExcluir