quinta-feira, 27 de julho de 2017

James Dean O Mito Rebelde - Parte 6

Conforme o tempo foi passando James Dean foi ficando cada vez mais decepcionado com Hollywood. Ele arranjou uma agente e começou a ir em testes para filmes, mas a resposta era sempre negativa. Dean não conseguia papéis e nem trabalho. Chegou a implorar para trabalhar como extra, mas nem nisso foi bem sucedido. Os responsáveis pelas escolhas do elenco davam as mais variadas justificativas para recusá-lo. Alguns diziam que ele não tinha experiência e nem currículo! Outros disseram que ele não tinha altura suficiente! Era uma desculpa esfarrapada atrás da outra.

Sem emprego, sem trabalho no cinema, Dean ouviu atentamente um veterano durante um desses dias em que passou horas para fazer sua audição para um filme qualquer. O velho ator lhe disse: "Você é jovem! O que está fazendo aqui? Vá para Nova Iorque se tornar um ator de verdade! Estude, vá fazer teatro! Você quer começar sua carreira profissional logo como ator de cinema? Primeiro você deve se tornar um ator para só depois, quem sabe, fazer filmes! O verdadeiro ator é o ator de teatro e Nova Iorque é o lugar certo para isso!". Esse sábio conselho tocou James Dean profundamente. O velho tinha razão. Dean então decidiu mudar sua estratégia de vida. Comprou uma passagem de avião para Nova Iorque (paga por sua agente) e na segunda-feira seguinte foi embora de Hollywood, de Los Angeles, e de seus testes medíocres.

Conforme lembraria depois Dean chegou em Nova Iorque com 5 dólares no bolso. Era um tempo frio, com muita chuva, mas nem isso desanimou o jovem ator. Ele adorou o clima da cidade, os bairros de artistas como o Greenwich Village, onde havia oportunidades para todos, pintores, escultores, poetas e... atores! A cidade respirava arte em todos os lugares. Escrevendo para um amigo Dean relatou: "Os primeiros dias em Nova Iorque foram impactantes! Essa grande cidade quase me esmagou! Agora estou mais confortável nela. Adoro caminhar pela Broadway, ver as peças que estão em cartaz! Nova Iorque, essa sim é uma cidade acolhedora!".

O ator gostou tanto da nova cidade que mesmo anos depois quando já era um astro em Hollywood, sempre ia para NY para passar os fins de semana. De fato ele considerava a "Big Apple" como seu verdadeiro lar. Nada de Hollywood com sua sociedade fútil e petulante. Os verdadeiros artistas estavam andando pelas ruas de Nova Iorque, isso Dean afirmou mais de uma vez. O ator tinha razão em amar o novo lar. Em Nova Iorque as coisas finalmente começaram a dar certo. Ele foi aprovado para participar de peças e o mais importante de tudo: foi aceito na prestigiada escola de atores do Actors Studio. Sua vida estava para mudar para sempre!

Pablo Aluísio.

4 comentários:

  1. Cinema Clássico - Pablo Aluísio
    James Dean O Mito Rebelde - Parte 6
    Todos os direitos reservados.

    ResponderExcluir
  2. "Outros disseram que ele não tinha altura suficiente!"

    Isso, apesar da conotação preconceituosa, infelizmente é uma verdade inexorável, pois sem talento comprovado essa característica física, ser baixinho, é um grande obstáculo. Basta ver como alguém com muito menos talento para a arte interpretativa como o Rock Hudson conseguiu com muito mais facilidade seu lugar ao sol em Hollywood pelo simples fato de ser muito alto.

    Apesar do aforisma do Oscar Wilde "somente os superficiais é que não julgam pelas aparências" parecer mais um pilheria irônica, em Hollywood isso se tornou um mantra.

    ResponderExcluir
  3. Pois é, já até escrevi sobre isso em um texto chamado "James Dean, o baixinho". Ele se ressentia dessa situação. Talvez por isso também não tenha se dado bem com Rock Hudson, a quem chamava de forma irônica de "o poste".

    ResponderExcluir