segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Os Filmes de Vivien Leigh - Parte 2

O filme que fez Hollywood se interessar por Vivien Leigh foi o drama histórico "Fogo Por Sobre a Inglaterra", que se passava nos tempos do reinado da Rainha Elizabeth I. Vivien ficou extremamente bem no filme, com roupas de época. Ela ainda era bem jovem e sua imagem chamou a atenção dos grandes estúdios americanos. O fato desse filme inglês ser exibido nos cinemas dos Estados Unidos serviu como um cartão de visitas da atriz no outro lado do Atlântico.

Esse filme também foi um marco na vida pessoal da atriz pois ela conheceu o ator Laurence Olivier com quem iria se casar futuramente. O fato de ambos serem atores, lutando pela carreira em Londres na pequena indústria cinematográfica local, acabou servindo de atração entre eles. O romance não demorou muito a acontecer, até porque Vivien se sentia bem solitária nos primeiros dias na capital britânica. Seus familiares e amigos ficaram no interior e em Londres ela precisou formar um novo círculo de amigo. Era uma nova vida que começava para ela.

O filme seguinte na carreira de Vivien Leigh foi um filme de espionagem, passado durante a primeira guerra mundial, chamado "Jornada Sinistra". A atriz interpretava uma personagem chamada Madeleine Goddard. Ela era uma espiã francesa em Londres que acabava se apaixonando por um espião alemão, seu inimigo no conflito. O Barão Karl Von Marwitz era interpretado pelo ator Conrad Veidt. Esse filme foi lançado em 1937, dois anos antes da eclosão da II Guerra Mundial. Hitler já estava no poder na Alemanha, mas poucos ainda sabiam que uma nova guerra, pior ainda do que a anterior, estava prestes a varrer a Europa mais uma vez. Para Vivien foi algo até perturbador fazer esse filme, principalmente pelas coisas que estavam prestes a acontecer, com bombardeios alemães diários em Londres, algo que ela própria iria vivenciar.

Nesse mesmo ano Vivien ainda iria atuar em uma comédia romântica bem leve chamada "Tempestade Num Copo D'Água". Ela interpretava uma jornalista investigativa de nome Victoria Gow. Quando o filme começa ela parte em busca de histórias indiscretas envolvendo um figurão da política, mas de forma irônica acabava se apaixonando por ele. O curioso sobre esses três últimos filmes de Leigh é que os três foram lançados no Brasil também, demonstrando que ela já era uma artista conhecida em nosso país, antes mesmo da explosão de "E O Vento Levou...". Vivien ainda não era uma grande estrela, algo que só iria acontecer mesmo com o lançamento desse épico americano, considerado por muitos como um dos maiores filmes de todos os tempos.

Pablo Aluísio.

6 comentários:

  1. Cinema Clássico - Pablo Aluísio
    Os Filmes de Vivien Leigh
    Todos os direitos reservados.

    ResponderExcluir
  2. A Vivien Lee se transubstanciou em Scarlett O'Hara. Eu não imagino como isso aconteceu, mas seu olhar soltava fogo através desta personagem. Nem seu segundo personagem mais memorável, a Blanche Dubois de A Streetcar Named Desire, tem intensidade comparável. Ou seja, a vida sempre tem um auge e nos nunca sabemos se ele já chegou ou se já passou.

    ResponderExcluir
  3. É a prova de como ela era boa atriz. Uma inglesa que ficou perfeita como uma sulista americana mimada. Plenamente convincente.

    ResponderExcluir
  4. Por isso chegar dar uma certa pena em vê-la eclipsada poucos anos depois por jovens atrizes, ela que ainda não era velha, mas já não tinha mais o viço das Marylins e nem era homem como seu marido Lawrence Olivier, que mesmo com idade avançada conseguia os melhores papeis. As mulheres...

    ResponderExcluir
  5. Essa é uma tradição horrível de Hollywood...

    Quando a atriz fica velha é descartada de forma vergonhosa...

    ResponderExcluir